BRASIL

09/08/2018 as 14:03

2017 foi o ano mais violento da história do Brasil

Segundo Fórum de Segurança Pública, 63.880 foram assassinados. Em média, sete mortes por hora

Foto: (WILTON JUNIOR/ESTADÃO CONTEÚDO).<?php echo $paginatitulo ?>

 

O ano de 2017 foi o mais violento da história do Brasil. Conforme dados do Anuário Brasileiro de Segurança Pública, divulgados nesta quinta-feira (9), houve 63.880 mortes intencionais ao longo do ano passado. Isso representa 175 mortes por dia, ou sete a cada hora – num aumento de 2,9% em relação a 2016.

Do total de mortes, 155.900 foram homicídios dolosos (que tiveram alta de 2,1% em relação ao ano anterior), 2.460 latrocínios (queda de 8,2%), 955 lesões corporais seguidas de morte (crescimento de 12,3%). O número de mortos em intervenções policiais teve incremento de 20%: foram 5.144 (uma média de 14 por dia). Já o número de policiais mortos caiu 4,9% em comparação a 2016. Foram 367.

O anuário, produzido pelo Fórum de Segurança Pública, é um documento compila e analisa dados de registros policiais sobre criminalidade, informações sobre o sistema prisional e gastos com segurança pública, entre outros recortes introduzidos a cada edição.

Violência contra a mulher

O levantamento também traz dados de violência contra a mulher. Houve 221.238 registros de violência doméstica em 2017 (606 casos/dia). Também houve alta de 6,1% no número de mulheres assassinadas. Foram 4.539, sendo que desse total, 1.133 casos foram tipificados como feminicídio. Os casos de estupros cresceram 8,4%, chegando a 60.018.

Investimentos

O Anuário aponta que R$ 84,7 bilhões foram investidos em políticas de segurança pública em 2017. A média é de $ 408,13 por cidadão, o que equivale a 1,3% do PIB. Do montante, R$ 9,7 bilhões foram injetados pela União (alta de 6,9%), enquanto Estados e DF investiram R$ 69,8 bilhões. O investimento dos municípios caiu 2%: foram R$ 5,1 bilhões em 2017.

Com todo o investimento, o Anuário ainda expõe fragilidades da política. Conforme o levantamento, 94,9% das armas apreendidas em 2017 não foram cadastradas no sistema da Polícia Federal (SINARM); 13.782 armas legais foram perdidas, extraviadas ou roubadas (o que equivale a 11,5% das armas apreendidas pelas polícias no mesmo ano).

"É como se um mês de trabalho das polícias tivesse se perdido", diz um trecho do relatório.


 

 

 

 

Com informações de Destak Jornal.




Tópicos Recentes