BRASIL

26/12/2018 as 16:01

João de Deus diz não lembrar de mulheres que o acusam

Médium prestou depoimento ao MP na manhã desta quarta-feira (26)

Foto: (Ernesto Rodrigues/Estadão Conteúdo<?php echo $paginatitulo ?>

 

Em depoimento ao Ministério Público de Goiás (MP-GO), na manhã desta quarta-feira (26), o médium João Teixeira de Faria, o João de Deus, 76 anos, negou ser culpado das centenas acusações de abuso sexual das quais é alvo.

Na audiência, os promotores de Justiça Luciano Miranda Meireles e Paulo Eduardo Penna Prado se fixaram em três dos casos que estão sendo apurados pelo MP goiano – segundo o qual já foram coletados 78 depoimentos formais de mulheres de todo o país.

Segundo o advogado Alex Neder, que acompanhou o depoimento, o médium não identificou a nenhuma das três denunciantes, garantindo não se lembrar delas. Além disso, alegou que os atendimentos que faz na Casa Dom Inácio de Loyola, em Abadiânia (GO), são feitos às vistas de centenas de pessoas.

"Ele explicou pormenorizadamente aos promotores que as fotos dos locais em que, segundo as mulheres, teriam ocorrido o abuso, indicam locais abertos, onde sempre há muita gente esperando ser atendida ou o auxiliando", comentou o advogado.

Pedido de liberdade

A defesa vive a expectativa de que o Supremo Tribunal Federal (STF) aprecie o pedido para que o médium responda inquérito em liberdade ou em prisão domiciliar. As solicitações já foram negadas pelo Tribunal de Justiça de Goiás e Superior Tribunal de Justiça (STJ).

"Nossa maior preocupação é que ele tem 76 anos, tem problema de coração e, recentemente, tratou-se de um câncer. O local [Casa de Custódia] é inadequado para alguém de sua idade e que precisa de cuidados médicos e de uma dieta adequada. Por isso estamos pleiteando a soltura e a possibilidade dele responder aos processos em casa, se necessário, com tornozeleira", acrescentou Neder.

De acordo com o MP-GO, mais de 600 mensagens já chegaram à força-tarefa por meio do endereço denuncias@mpgo.mp.br, pelos telefones 62 3243-8051 e 8052 ou presencialmente.

 

 

 

 

Com informações Agência Brasil e Destak Brasil.

 




Tópicos Recentes