CIÊNCIA E TECNOLOGIA

11/10/2018 as 10:51

Startup brasileira cria reconhecimento facial para cadeira de rodas

O produto não é uma cadeira de rodas especial, mas um sistema que traduz expressões em movimento e pode ser usado em qualquer cadeira motorizada

Foto: (Hoobox Robotics/Divulgação).<?php echo $paginatitulo ?>

Pesquisadores brasileiros desenvolveram um sistema capaz de reconhecer expressões faciais para fazer uma cadeira de rodas se movimentar.

Por meio de uma câmera, o sistema Wheelie 7 reconhece sorrisos, movimentos de beijo, o levantar e o abaixar as sobrancelhas e outras expressões do usuário para fazer a cadeira ir para frente, para trás, para os lados e parar.

O produto da startup não é uma cadeira de rodas especial, mas um kit que pode ser usado em qualquer cadeira motorizada e deve beneficiar quem tem problemas de mobilidade.

O kit conta com uma câmera, um computador de bordo, um sistema de navegação e um robô que é capaz de ultrapassar obstáculos para chegar onde o usuário quer. O envio é feito gratuitamente, o custo da mensalidade é de 300 dólares e o contrato é de um ano.

O Wheelie 7 reconhece nove expressões faciais. Cada uma pode ser programada pelo usuário para fazer o movimento que ele desejar. O sistema é capaz de traduzir um sorriso para um comando que faz a cadeira andar para frente, por exemplo.

“Basicamente, é preciso cinco expressões para movimentar a cadeira de rodas, mas a tecnologia tem nove e o usuário pode escolher aquela que for mais confortável”, explica Guedes.

Um dos grandes diferenciais do sistema é que ele funciona em qualquer condição de iluminação e posição da cabeça do usuário.

O projeto surgiu na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Inicialmente, o grupo de pesquisadores desenvolveu uma cadeira de rodas robótica que era controlada pelos movimentos da face. O produto, no entanto, era comercialmente inviável por conta do alto custo.

O desenvolvimento do Wheelie 7 teve um investimento de 1,2 milhão da Fapesp e é vendido nos Estados Unidos.

“A gente precisava focar num mercado e lá é o maior mercado de cadeira de rodas, perdendo só para China em quantidade de pessoas em cadeira motorizada”, afirma Guedes. “Resolvemos investir no mercado americano para fazer a empresa crescer e depois ir para outros mercados.”

Antes de chegar ao mercado, o sistema foi testado com 400 pessoas. Entre elas, haviam pacientes tetraplégicos, portadores de ELA (Esclerose Lateral Amiotrófica) e pessoas com idade avançada.

Hoje, a empresa tem 60 clientes nos mercado americano e uma fila de espera de 200 pessoas. A cada seis meses, a empresa lança uma atualização do sistema com melhorias.

“A lista de espera nos ajuda a desenvolver um produto melhor por meio de feedbacks”, explica Guedes.

Para entrar na lista, o cliente deve pagar duas mensalidades adiantadas, o que também ajuda a empresa a financiar o produto.

Parcerias

A Hoobox Robotics tem planos de ampliar sua atuação por meio de parcerias. A startup trabalha ao lado da Johnson&Johnson para aplicar seu sistema em outras áreas da saúde e ao lado da Intel, que quer fazer o reconhecedor facial funcionar em qualquer tipo de computador existente no mercado.

A startup também recebeu um investimento do Hospital Albert Einstein para aplicar a tecnologia de reconhecimento facial em outros dispositivos de saúde. Um dos projetos visa ler expressões faciais de pacientes em UTI.

“A gente é capaz de reconhecer as expressões só usando uma câmera, sem sensor corporal, para detectar níveis de dor, níveis de agitação e sedação, espasmos e delírio do paciente”, diz Guedes.

A indústria de reconhecimento biométrico da qual a empresa faz parte deverá alcançar 30 bilhões de dólares até 2030, segundo estimativas da empresa de pesquisa ABI Research.

Outro projeto de longo prazo da startup é de entrar no mercado de exoesqueletos, que deverá alcançar 2,5 bilhões de dólares até 2024, de acordo com estimativas da Market Research Engine.


 

 

 

 

Com informações de Letícia Naísa, Exame.




Tópicos Recentes