12/02/2019 as 11:36

O início da decadência do Brasil com o golpe presidencial de 2016

Consciência e (R)Existência

Consciência e (R)Existência

Diversidade e Direitos Humanos
Por Linda Brasil.
Foto: (Reprodução/ O Cafezinho).<?php echo $paginatitulo ?>

No dia 17 de Abril de 2016 se iniciou um processo de decadência das instituições democráticas no Brasil, com a votação, no Congresso Nacional, do afastamento da primeira mulher eleita presidenta do país sem nenhuma prova concreta de corrupção.

Foi um dos dias mais triste da história da redemocratização. Um verdadeiro circo dos horrores foi montado em cima de “pedaladas fiscais” com objetivo de iniciar mais uma grande farsa que começaria a ser forjada com intuito de desrespeitar as urnas e os menos favorecidos no país.

O palco-picadeiro foi representado com falas e atitudes que demonstravam uma tragi-comédia com claras demonstrações de perseguição política e ódio à democracia.

Nesse dia, o atual presidente, então deputado federal, homenageou um torturador da ditatura militar instaurada no Brasil em 1964. De lá para cá foi só descida de ladeira que nos pôde introduzir numa ‘nova era’, uma ‘neoditatura’, agora legalizada pelos poderes executivo, legislativo e judiciário.

O fatídico dia da votação do impeachment de Dilma representava o início de um golpe liderado por um grupo de parlamentares envolvidos em corrupção e por grandes empresários que investem muitos recursos nas campanhas eleitorais para ganhar vantagem em licitações e projetos ligados ao governo e nos projetos de lei que beneficiem suas empresas.

Com a posse de Michel Temer ficou bem evidente quais eram os reais interesses desses parlamentares com as medidas que somente beneficiaram as grandes empresas e retiraram os incentivos e direitos dos/as quem mais necessitam, como a reforma trabalhistas, a PEC do limites dos gastos públicos e outros decretos que prejudicam somente a classe trabalhadora. Mesmo com uma série de denúncias e escândalos envolvendo ministros de seu governo, nenhuma providência foi tomada pelo Parlamento.

Outro episódio triste que comprova a perseguição aos que denunciam as atrocidades dessa política de troca de favores: no próximo dia 15 de março completa um ano da execução de Marielle Franco. O caso ainda não foi solucionado, mas as investigações apontam o envolvimento de milícias ligadas a Flávio Bolsonaro e outros parlamentares desse governo. O filho de presidente também está sendo investigado juntamente com seu assessor por transações e depósitos suspeitos em sua conta bancária, como também sua madrasta, a esposa do seu pai e atual presidente do Brasil.

No ano passado, notamos outra grande farsa sendo montada para destruir a democracia do Brasil. A campanha e pré-campanha do atual presidente foram marcadas por notícias falsas dos adversários do candidato do PSL. Nesse período, os/as brasileiros/as foram bombardeados por várias mentiras, como a que Haddad foi o criador do kit gay, um forma de criminalizar as pautas LGBT’s, usando o discurso falacioso de destruição da família tradicional brasileira e do incentivo à sexualização precoce das crianças.

Outro episódio enigmático e que pode ser outra farsa montada para ludibriar os/as eleitores/as foi o episódio da facada ao atual presidente do Brasil, ocorrido no dia 06 de setembro, em Juiz de Fora-MG, no período de campanha eleitoral. Logo depois surgiram várias suspeitas sobre a veracidade do atentado.

Suspeitas essas analisadas no vídeo “A facada no mito” que foi divulgado no Youtube no dia 22 de dezembro de 2018 (link no final da matéria), demonstrando várias situações que evidenciam que a facada pode compor uma outra farsa montada para comover a população brasileira e interferir no resultado das eleições presidenciais. Depois desse fato o atual presidente teve um aumento significativo de intenção de votos. 

Esse episódio também foi usado como justificativa para a ausência atual presidente aos debates eleitorais, espaço muito importante para que a população conhecesse melhor os/as candidatos/as e dessa forma pudesse votar com consciência sobre as propostas.

Outra consequência triste depois do início dos grandes golpes a democracia iniciados em 2016 foi a desistência de Jean Wyllys de assumir o cargo de Deputado Federal pelo Rio de Janeiro, por causa de ameaças contra sua vida e da sua família. Ele havia sido eleito democraticamente pela terceira vez e acabou se exilando em outro país por causa da perseguição sofrida desde o seu ingresso no Congresso Nacional.

Jean foi o primeiro congressista a assumir publicamente sua homossexualidade, tendo a coragem de denunciar várias as atrocidades dessa velha política eleitoreira e comportamentos racistas, machistas e LGBTfóbicos, principalmente do atual presidente, assim foi vítima também de muitas notícias falsas com base em discurso de ódio.

Com somente um mês e pouco dias desse governo já percebemos grandes perdas e retrocessos: as exclusões ministeriais e mudanças em pastas importantes - como meio ambiente e direitos humanos; o decreto de facilitação de posse armas de fogo em casa, que vai contribuir para o aumento do feminicídio, suicídios e assassinatos à LGBT’s, já que o maior número de violência em ambiente doméstico atinge essas pessoas; o pacote anticrime que autoriza a execução sumária da população pelos policiais, alegando simplesmente surpresa e medo; a mudança da lei de acesso à informação, que diminui a transparência dos atos do atual governo; e ultimamente, demonstrando um enorme retrocesso em políticas de saúde, a nota técnica do Ministérios da Saúde que estimula o eletrochoques em dependentes químicos e crianças, um aval para o retorno dos manicômios.

Esses são somente alguns fatos e medidas que demonstram ameaça a nossa democracia, a decadência e o retrocesso das políticas públicas e iniciativas que vinham sendo utilizadas para diminuir tanta injustiça social e propiciar mais dignidade e oportunidade de sobrevivência às pessoas que sempre foram marginalizadas e perseguidas em nosso país.

Precisamos, urgentemente, denunciar essas atrocidades que estão acontecendo em nosso país. A população precisa acordar dessa hipnose coletiva que foi instalada no circo midiático e nas redes sociais a partir do golpe de 2016 e que acabou elegendo para presidente uma pessoa perigosa e sem nenhuma capacidade de governar uma nação, principalmente um país com tanta diversidade como o Brasil.

 

Vídeo sobre a possível farsa da facada:

https://www.youtube.com/watch?time_continue=2005&v=8hv1D6EgWfc




Tópicos Recentes