14/09/2018 as 06:31

Justiça determina prisão de Sukita, ocupante-mor do helicóptero amarelo

Filho do vaqueiro disse que vai esperar a sua prisão em casa

Política Online

Política
Por Junior Valadares
<?php echo $paginatitulo ?>

O filho do vaqueiro e ex-prefeito de Capela,  que segundo ele próprio foi traído pelo amor,  Manoel Messias Santos, o popular Sukita, teve sua pena de 13 anos e nove meses de prisão confirmada pelo Tribunal Regional Eleitoral, por desvio de verbas publicas e autorizalçao de despesas não previstas em lei. Na sessão, também foi determinado o envio de ofício à 5º Zona Eleitoral, para execução provisória da pena. Com a medida, de acordo com o entendimento do Supremo Tribunal Federal, cabe agora ao juiz eleitoral emitir o mandado de prisão do réu. Pelos crimes, também foram condenados três integrantes da então equipe de Sukita que participaram dos esquemas criminosos. São eles: Ana Carla Santana Santos (ex-secretária municipal de Assistência Social), Maria Aparecida Nunes (ex-secretária de Assistência Social substituta), Arnaldo Santos Neto (ex-diretor financeiro do fundo de assistência social). A condenação é resultado de ação do Ministério Público Eleitoral ajuizada em julho de 2015.

Sukita e outros réus ainda podem recorrer da decisão, mas parece que o helicóptero amarelo que ainda corta os céus sergipanos, pode ser obrigado a parar em uma hangar qualquer, sem direito a poder voar com o REI capelense, como gosta de ser chamado o xcandidato a deputado federal pelo PTC, Sukita. O filho do vaqueiro, foi condenado porque na época em que era prefeito da cidade distribuiu uma graninha aos eleitores de Capela a fim de favorecer a campanha de Josefa Paixão de Santana e Carlos Milton Mendonça Tourinho, candidatos à prefeita e vice-prefeito, respectivamente. Segundo o Ministério Público,  Sukita distribuiu a cerca de sete mil beneficiários de programas sociais do município a quantia de R$ 40 reais o mesmo número que sua candidata, a ex-desembargadora Josefa concorria ao cargo de prefeita. Ao entregar o dinheiro, o ex-prefeito pedia os votos dos beneficiários utilizando-se da expressão “Vamos votar no 40 para continuar ganhando o valor de 40″. A distribuição da verba ocorreu na sede da Prefeitura de Capela e não obedeceu a qualquer critério. Manoel Sukita foi condenado a 13 anos, nove meses e 15 dias de reclusão em regime inicial fechado e pena de multa de 32 dias-multa no valor de um salário mínimo vigente à época dos fatos. Confira o processo no site da Justiça Eleitoral com o número: RC Nº 0000042-10.2015.6.25.0005.

PRISÂO PREVENTIVA

A prisão preventiva  é uma outra forma de prisão processual de natureza cautelar. Ela pode ser decretada de oficio pelo juíz no curso da ação penal criminal, antes da sentença penal condenatória com trânsito em julgado, uma vez que sejam preenchidos os requisitos legais que possibilitem a sua aplicabilidade (CPP, art. 311, c/c art. 282, §2°). Não poderá ser decretada prisão preventiva no fase do inquérito policial ou qualquer outra investigação preliminar, salvo se a requerimento do Ministério Público ou por representação da autoridade policial. A prisão preventiva é uma forma de prisão provisória, razão pela qual essa medida só é aplicada em último caso, pois se trata de uma medida excepcional. O instituto da prisão preventiva está previsto no artigo 311 a 316 do Código do Processo Penal.

PREVENTIVA DE GEORGE

A prisão do radialista se deu por ele ter tentado "coagir e comprar uma nova versão" do porteiro do prédio, que vem a ser uma das testemunhas chaves do caso. Depois de uma acariação entre as partes, o porteiro finalmente confessou às delegadas ter sido procurado pelo agressor para mudar o depoimento diante da polícia, fato que gerou o pedido imediato de prisão de George Magalhães. Segundo a delegada Renata Aboim, já há indícios fortes que comprovam o crime, como o laudo do IML que identificou a existência de espermatozóides e, consequentemente, o ato sexual, entre outras provas coletadas ao longo da investigação. O inquérito está quase findo e a delegada aguarda tão somente um depoimento marcado para esta sexta-feira e a conclusão de laudo pericial em um telefone importantíssimo nesse caso, para coleta de novas provas envolvendo pessoas provavelmente ligadas ao radialista. E que o teriam ajudado a tentar encobrir o crime.

TERCEIRA VITIMA

Na imprensa, há também a expectativa de que uma terceira nova vitima, funcionária de importante Rede de Rádios, aqui de Sergipe, venha a depor diante das delegadas do caso, ainda nos próximos dias. O radialista foi encaminhado pela manhã para exame de corpo delito e, em seguida, ao invés de ter sido recambiado direto para o presidio do Santa Maria, foi levado para o COPE, surpreendendo a todos, uma vez que, por não ter curso superior, jamais poderia ser custodiado nas suas dependências. Tem moral, prestígio e força, o radialista George Magalhães.

NÃO TIRA O CHAPEU

O senador Antonio Carlos Valadares (PSB), não tira mesmo o chapéu para o que segundo ele,  é o "marketing do mal", atribuído ao ex-governador Jackson Barreto (MDB), Belivaldo Chagas (PSD) e o marqueteiro de sua campanha eleitoral para o Senado, Carlos Cauê. Segundo Valadares, Belivaldo e Jackson preferem pagar multa, "insistindo no marketing do mal", do que cumprir decisão do TRE: "Eleitores fiquem atentos: plano diabólico do candidato do governo em pleno andamento no programa gratuito do TRE para derrubar adversários, continuar no poder e carregando JB para o Senado".

O Senador da gente‏ @ValadaresPSB

TRE manda retirar inserção na TV. Candidato de JB, Belivaldo Chagas não dá a mínima. Prefere pagar a multa que lhe foi imposta no valor mínimo de R$ 5.000 e continua nos agredindo em sua falsa propaganda. Coisas de quem tem poder e dinheiro fácil até para afrontar o judiciário.

 O bruxo Cauê, o marqueteiro do mal, especialista em ganhar cifras milionárias do poder e espalhar mentiras para denegrir adversários, está novamente em ação. Em 2016 mentiu pra ajudar Edvaldo, agora, em 2018, mente de novo a preço de ouro em favor de Belivaldo-JB.

COMEÇOU A 2ª TEMPORADA DAS MENTIRAS DO BRUXO CAUÊ O candidato de JB, Belivaldo Chagas, no desespero, volta a (cont) http://tl.gd/n_1sqlfqv 

GRANA

Levantamento feito pela Infonet mostra quanto os candidatos ao governo do estado arrecadaram até agora, confira:

Belivaldo Chagas (PSD) tem R$ 2.200.000,00 para a campanha: 90.91% são de doações partidárias e 9.09% de pessoas físicas.

Dr. Emerson (Rede) juntou R$ 36.832,00: 62,8% através de pessoas físicas, 19.01% em recursos próprios, 7.47% de outros candidatos e 1.71% de partidos.

Eduardo Amorim (PSDB) tem R$ 1.500.000,00 para a campanha, 100% doado por partidos.

Gilvani Santos (PSTU) também teve doação de R$ 27 mil 100% partidária.

João Tarantella (PSL), que está com a candidatura indeferida, tem R$ 6.150, sendo 83,74% de recursos próprios e 16,26% arrecadados através de doações de pessoas físicas.

Márcio Souza (PSOL) tem R$ 14.619,22, 100% doado por partidos.

Mendonça Prado (DEM), arrecadou R$ 147.000,00, totalmente doado por pessoas físicas.

Milton Andrade (PMN), tem R$ 50.000 em recursos próprios.

Valadares Filho (PSB) arrecadou R$1.150.000,00. O valor é 100% doado por partidos.

ROGÉRIO

O presidente estadual do PT e, candidato ao Senado Rogério Carvalho, disse em entrevista concedida ao jornalista André Barros da 103 FM,  que a  "inércia" do governo Jackson Barreto (MDB), também candidato ao Senado, que Sergipe estaria melhor se Belivaldo Chagas (PSD) tivesse assumido o governo no início do ano. Rogério afirmou que o Estado estaria melhor se Jackson tivesse renunciado ao governo no início de 2018: "Estaríamos em uma situação bem diferente se Belivaldo tivesse assumido no início do ano de 2018. Agora, em cinco meses, com a inércia e o que vinha do governo anterior é muito difícil você mudar. Eu acho que teríamos hoje uma amostra mais concreta da capacidade de Belivaldo se ele tivesse assumido no início do ano". 




Tópicos Recentes