22/04/2019 as 05:48

Pobre, pequeno e perto da quebradeira, Sergipe é grande e rico quando se fala em salário de governador

Política Online

Política
Por Ewerton Júnior
<?php echo $paginatitulo ?>

O nosso pequenino Sergipe passa por sérias dificuldades financeiras. Segundo o ex-governador Jackson Barreto (MDB), o estado estava quebrado quando ele ainda administrava Sergipe. Recentemente, recebi via aplicativo de celular, um levantamento que mostra os salários dos vinte e sete governadores estaduais e fiquei perplexo com o que vi, e tenho certeza que você irá também ficar. Sergipe paga o segundo maior salário de governador do País a Belivaldo Chagas Silva (PSD), conforme levantamento realizado nos portais da transparência das 27 unidades da federação. Mesmo com população menor e orçamento muito inferior, o Estado tem subsídio superior aos chefes do Poder Executivo de São Paulo. Dos 27 governadores, 21 recebem abaixo de R$ 30 mil. O menor subsídio é pago por Pernambuco, onde o salário de R$ 9,6 mil está congelado desde 2003, desde a época de Eduardo Campos (PSB), morto em trágico acidente aéreo em 2014. Cabe observar, que o pernambucano Paulo Câmara (PSB) optou pelo vencimento pago pelo Tribunal de Contas do Estado, onde é funcionário de carreira e recebe R$ 36.427,42. Minas Gerais paga R$ 11.440 ao governador Romeu Zema (NOVO), enquanto Sergipe paga mais 200% para o governador Belivaldo Chagas.

João Dória (PSDB) recebe R$ 23.048,59 para governar São Paulo, estado mais populoso e rico do País. O tucano comanda 45,5 milhões de habitantes, conforme estimativa do IBGE do ano passado, e administra orçamento de R$ 230 bilhões. No entanto, Belivaldo  recebe salário  53% maior do que o colega governador. O Estado conta com 2,5 milhões de habitantes aproximadamente. Flávio Dino (PCdoB) recebe R$ 15,9 mil, menos da metade do valor embolsado todo mês por Belivaldo, para comandar o Maranhão, estado com população 156% maior (7,035 milhões de moradores) e orçamento anual de R$ 21,2 bilhões. Isso sem contar com as aposentadorias do bom Belivas que é defensor publico aposentado e deputado estadual também aposentado. Confira quanto ganha cada governador no Brasil:

 

Estado

Governador (a)

Valor (R$)

Mato Grosso do Sul

Reinaldo Azambuja (PSDB)

35.462,27

Sergipe

Belivaldo Chagas (PSD)

35.462,22

Acre

Gladson Camelli (PP)

35.461,00

Paraná

Ratinho Júnior (PSD)

33.763,00

Roraima

Antônio Denarium (PSL)

30.900,00

Pará

Helder Barbalho (MDB)

30.386,70

Paraíba

João Azevedo (PSB)

29.688,58

Amazonas

Wilson Lima (PSC)

28.000,00

Rio Grande do Sul

Eduardo Leite (PSDB)

25.355,67

Rondônia

Coronel Marcos Rocha (PSL)

25.322,25

Goiás

Ronaldo Caiado (DEM)*

25.052,50

Amapá

Waldez Góes (PDT)

24.376,88

Tocantins

Mauro Calesse (PHS)

24.117,00

Distrito Federal

Ibaneis Rocha (MDB)

23.844,00

São Paulo

João Dória (PSDB)

23.048,59

Espírito Santo

Renato Casagrande (PSB)

22.998,73

Bahia

Rui Costa (PT)

22.400,00

Rio Grande do Norte

Fátima Bezerra (PT)

21.900,00

Mato Grosso

Mauro Mendes (DEM)

20.278,77

Rio de Janeiro

Wilson Witzel (PSC) *

19.807,32

Alagoas

Renan Filho (MDB)

18.279,71

Piauí

Wellington Dias (PT)

17.985,00

Ceará

Camilo Santana (PT)

17.607,61

Maranhão

Flávio Dino (PCdoB)

15.915,40

Santa Catarina

Carlos Moisés (PSL)

15.000,00

Minas Gerais

Romeu Zema (NOVO)

11.440,00

Pernambuco

Paulo Câmara (PSB)

9.600,00

(*) não recebem como governador

   

 

CONVENÇÃO

Foi publicada no Diário Oficial de Sergipe a convocação do Diretório Estadual do MDB para a realização de eleições internas, que acontecerão na sexta-feira, 26, das 9h às 15h, na sede do partido. Nesse dia, serão eleitos os 20 membros do Diretório Estadual; os integrantes da Comissão de Ética; os delegados que irão à Convenção Nacional do MDB; além da escolha dos integrantes da Comissão Executiva e do Conselho Fiscal, com seus respectivos suplentes, que serão eleitos pelos novos dirigentes estaduais. A eleição do MDB foi construída através de diálogos internos com filiados do partido, que deverão eleger como seu novo presidente o deputado federal Fábio Reis. A proposta defendida pelo parlamentar durante o processo de diálogo é de oxigenar e modernizar a sigla, buscando novos filiados e o seu fortalecimento visando as eleições municipais de 2020.

DEFESA

O escritório responsável pela defesa do presidente Jair Bolsonaro, que recorre da condenação por ofensas à deputada Maria do Rosário (PT-RS), é chefiado, quem diria, por uma feminista. Aos 39 anos, a advogada Karina Kufa expõe suas credenciais não só com palavras mas com ações concretas voltadas a uma inclusão mais efetiva de mulheres no masculino ambiente da política - como o projeto Eleitas, criado para dar assessoria técnica e jurídica a interessadas em se candidatar a cargos eletivos. Ao Estado ela garantiu, com a sinceridade de uma advogada de defesa, que Bolsonaro e seu filho, Eduardo - a quem também presta serviços - não são machistas e até se interessam por suas pautas. Especializada em direito eleitoral, Kufa também advoga para o PSL nacional, onde hoje trabalha na reestruturação dos diretórios estaduais, a maioria ainda provisórios, para viabilizar candidaturas no ano que vem.

UNIDADE PROGRESSISTA

Dentre as várias iniciativas desenvolvidas nos últimos meses para reverter a fragmentação da oposição ao governo Jair Bolsonaro, a recém-criada Unidade Progressista tem chamado a atenção entre lideranças da centro-esquerda pelo perfil de seus integrantes e, principalmente, por não ter a participação formal de partidos políticos. Composta pelos ex-candidatos à Presidência Fernando Haddad (PT) e Guilherme Boulos (PSOL); o governador do Maranhão, Flavio Dino (PCdoB), o ex-governador da Paraíba Ricardo Coutinho (PSB) e a vice de Boulos, Sonia Guajajara, a Unidade Progressista se reuniu uma vez e produziu dois artigos. A próxima reunião será em maio e a expectativa é atrair outras lideranças importantes como os também ex-presidenciáveis Ciro Gomes (PDT) e Marina Silva (Rede) e o ex-senador Roberto Requião (MDB-PR).

ADI

O PSB ajuizou no Supremo, a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 6119 contra dispositivos da Lei 10.826/2003 e do Decreto 9.685/2019, do governo Bolsonaro, 'para que se estabeleça a interpretação segundo a qual a posse de armas de fogo só pode ser autorizada às pessoas que demonstrem, por razões profissionais ou pessoais, possuir efetiva necessidade'. As informações estão no site do Supremo - Processo relacionado: ADI 6119. A ação foi distribuída ao ministro Edson Fachin, que acionou o artigo 10, parágrafo 1.º, da Lei 9.869/1999, o qual determina que a medida cautelar em ADI será concedida por maioria absoluta dos membros do Tribunal (seis membros). Fachin solicitou informações à Presidência da República no prazo de cinco dias, e após à Advocacia-Geral da União e à Procuradoria-Geral da República.

NEPOTISMO

Ministério da Justiça editou portaria, publicada no Diário Oficial da União, que disciplina os procedimentos a serem adotados para impedir o nepotismo em nomeações, designações ou contratações de agentes públicos no âmbito da pasta. O ato diz que nepotismo é "nomeação de cônjuge, companheiro ou parente em linha reta, colateral ou por afinidade, até o terceiro grau, inclusive, da autoridade nomeante ou de servidor da mesma pessoa jurídica investido em cargo de direção, chefia ou assessoramento, para o exercício de cargo em comissão ou de confiança ou, ainda, de função gratificada, compreendido o ajuste mediante designações recíprocas, na administração pública direta e indireta em qualquer dos poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios".

CUMPRIMENTOS

Uma menina se recusou a cumprimentar o presidente Jair Bolsonaro durante celebração de Páscoa na última quarta-feira, 17, no Palácio do Planalto. O próprio Bolsonaro divulgou um vídeo em sua conta no Twitter do momento em que cumprimenta crianças da Escola Classe 1 da Estrutural, região da periferia de Brasília, e uma delas se nega a estender a mão para ele. Na imagem, Bolsonaro aparece ao lado da primeira-dama Michelle Bolsonaro. Ele sorri e pega algumas crianças no colo. Quando ele cumprimenta as crianças que estavam na última fila do grupo, a menina cruza os braços e faz sinal de negativo com a cabeça diante da investida do presidente. O momento ocorre aos 28 segundos do vídeo.

 




Tópicos Recentes