28/05/2019 as 08:43

PSL de Sergipe é acusado de dar calote no governo federal

Com a palavra o diretório estadual

Política Online

Política
Por Ewerton Júnior
<?php echo $paginatitulo ?>

O PSL de Sergipe foi intimado pela justiça a pagar o que deve a União. O partido renegociou uma divida com o governo federal,  mas o atual presidente não está pagando as prestações. Das 60 (sessenta) parcelas do acordo, a sigla honrou apenas 5 (cinco). O que parece,  é que o partido deixou de cumprir o acordo da dívida desde o início deste ano. O montante somente do diretório estadual é de cerca de 150 mil reais e refere-se à problemas na prestação de contas. Isto sem falar da série de problemas dos diretórios municipais do interior, que também estão atolados em dívidas.

Será que o PSL Nacional está sabendo que sua turma em Sergipe está complicada na justiça por não pagar uma parcela de R$ 700,00? O PSL Sergipe não cumpre com as suas obrigações? Não paga o que deve? Não honra as dívidas? Está quebrado?  Resumindo: não bastou o diretório trapalhão do PSL em Sergipe trair Bolsonaro colocando um candidato a Governo que apoiou o Haddad. Não bastou a executiva atual criar problemas com todos os movimentos de Liberais do estado. Não basta viverem a falar mal das 3 maiores estrelas nacionais do seu partido, a Joice Hasselman, a Jainaima Paschoal e a Daiane Pimentel. Agora estes mesmos trapalhões, além de toda essa lambança, também dão o calote no Capitão, dando mais esse prejuízo ao Governo Federal, ao Brasil. Não é à toa que o partido em Sergipe não elegeu ninguém, não possui nenhum nome nos seus quadros apto a ser confiável para indicação de cargo federal e está completamente isolado.

CRIME

Mesmo manifestando insatisfação com medidas do Governo Bolsonaro, o deputado federal Bosco Costa (PR) apelou pela união dos parlamentares e dos brasileiros.  “O Benefício de Prestação Continuada (BPC) no valor de um salário mínimo  é fornecido a pessoas com deficiência de qualquer idade ou para idosos com idade de 65 anos. Para a concessão deste benefício, é exigido que a renda familiar mensal seja de até ¼ de salário mínimo por pessoa. Mexer em um benefício como este é um crime. É brincar com a inteligência da população. O mesmo se aplica a aposentadoria rural. São benefícios concedidos a quem menos tem. Essas pessoas não podem ser mais prejudicadas”, pontou. Ainda segundo Bosco, a Reforma da Previdência é necessária, desde que passe por alterações. “Sem a reforma, o Brasil irá parar, mas esta proposta precisa ser reavaliada. Os grandes empresários e devedores da Previdência, estes, deveriam ter seus bens sequestrados’, apontou.

COAF I

A senadora Maria do Carmo Alves (DEM) disse ontem (27) ser importante que o Senado passe o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), ao Ministério da Justiça e Segurança, tirando-o da estrutura do Ministério da Economia. A Medida Provisória que trata sobre o assunto está pautada na sessão desta terça-feira (28). Há duas semanas, a Câmara Federal confirmou o Coaf sob os cuidados do ministro da Economia, Paulo Guedes. “Há toda uma expectativa da sociedade para que o órgão fique com o ministro Sérgio Moro, considerando a sua ação precípua de combate à corrupção e a lavagem de dinheiro”, disse Maria. Para ela, tirar o Coaf das hostes do MJ, é fragilizar esse processo de combate a crimes que são tão nocivos ao país, comprometendo, sobretudo, o bom andamento da coisa pública. Maria do Carmo lembrou que Moro já demonstrou muita habilidade nessa batalha contra a corrupção, quando comandou a Operação Lava-Jato que levou inúmeros corruptos à prisão.

 COAF II

O Senado analisará nesta terça-feira (28) a medida provisória (MP) editada pelo presidente Jair Bolsonaro que reestruturou o governo federal. A MP está em vigor desde 1º de janeiro e precisa ser aprovada pelo Congresso e sancionada por Bolsonaro até o próximo dia 3 de junho, quando perde a validade. Se os senadores mantiverem o texto da Câmara, a medida provisória seguirá para sanção de Bolsonaro. Se houver mudanças, os deputados terão de analisar o texto novamente. Não há, contudo, consenso entre os parlamentares sobre o texto a ser aprovado. Com isso, deverá ser decidido no voto, por exemplo, o destino do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf). Responsável pelo combate à lavagem de dinheiro e a fraudes financeiras, o Coaf está subordinado ao Ministério da Justiça desde a edição da MP, mas a Câmara aprovou transferir o conselho para o Ministério da Economia.

FAMES

De iniciativa do deputado Estadual Dilson de Agripino, a Federação dos Municípios do Estado de Sergipe(FAMES) participou do lançamento, na manhã desta segunda-feira ,27, da Frente Parlamentar em Defesa dos Municípios de Sergipe. Os parlamentares serão um viés entre gestores, Governos estadual e federal, Supremo Tribunal Federal e Congresso Nacional, no que se ao avanço da pauta municipalista. Um grande passo que fortalece a gestão local, e que será refletido com melhorias nos serviços de saúde, educação, assistência social e infraestrutura. À frente da Federação, o presidente Cristiano Cavalcante destaca que essa união será de grande valia para o crescimento municipal. “Nada mais justo do que poder defender os municípios. Afinal de contas, é onde tudo acontece”, Finaliza o presidente.

TCE

O Tribunal de Contas do Estado de Sergipe (TCE/SE), através da Escola de Contas, começou nesta segunda-feira, 27, o curso sobre Licitações e Contratos Administrativos, ministrado pelo secretário de Controle Interno do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 20ª Região, Marcus Alcântara. A ideia é capacitar os servidores do Tribunal de Contas sobre todas as novidades em relação à contratação pública no país. As aulas ocorrerão ainda nesta terça, 28, quinta-feira, 30, além dos dias 3, 4 e 5 de junho, sempre das 14h às 18 horas, totalizando quatro módulos. Esta semana, os temas são Licitações e Contratos Administrativos. Já na próxima, os módulos abordarão as Leis das Estatais e Pregão. Neste primeiro momento, o professor começou a abordar as mais recentes normativas do Governo Federal acerca da contratação pública. “Abordaremos sobre gerenciamento de risco, estudos preliminares e tudo que a instrução número 5 do Governo Federal traz para fazer a instrução dos processos de licitações”, explica Marcus Alcântara.

QUESTIONOU

A deputada estadual Goretti Reis (PSD) ocupou a tribuna da Assembleia Legislativa, na tarde dessa segunda-feira (27), para questionar a Ação Civil Pública por Improbidade Administrativa com pedido de compensação ao dano moral coletivo movida pelo Ministério Público Estadual da Comarca de Lagarto, baseada em denúncia pública feita pelo então deputado estadual Valmir Monteiro que alegava irregularidades quanto ao repasse do valor de R$ 1,5 milhão das antigas verbas de subvenção social para a Maternidade Zacarias Júnior, em Lagarto. Goretti disse que até o momento não recebeu qualquer notificação do Ministério Público e que só tem conhecimento do assunto através do que vem sendo colocado nas redes sociais. Ela questionou a Ação proposta pelo promotor de Justiça, Belarmino Alves dos Anjos Neto. “O questionamento é que eu teria direcionado recursos para a maternidade Zacarias Junior. O detalhe é que para 2014 eu nem fiz destinação de recursos porque no ano anterior estava exercendo o cargo de secretária municipal de Saúde em Aracaju”.

 

 

 

 

 

 

 




Tópicos Recentes