04/11/2019 as 05:50

A semana começa quente em Lagarto, Capela e Monte Alegre

Em Lagarto a duvida é de quem manda a prefeitura, em Capela o assunto é a carta de Sukita para o governador e em Monte Alegre tem Habeas Corpus preventivo no ar, vamos conferir.

Política Online

Política
Por Ewerton Júnior
<?php echo $paginatitulo ?>

QUEM MANDA NA PREFEITURA DE LAGARTO?

A dúvida persiste! Afastado do cargo por decisão do Judiciário, o prefeito Valmir Monteiro foi substituído pela vice-prefeita Hilda Ribeiro. Houve mudanças no quadro de assessores, contudo, pelo poder que detêm para fazer e acontecer, o comando da gestão de fato está nas mãos do esposo da prefeita, deputado federal Gustinho Ribeiro, e da mãe dele, Áurea Ribeiro.


MAS NEM TUDO SÃO FLORES ENTRE OS RIBEIRO


A confusão está feita pela simples falta de entendimento entre mãe e filho! Com mão de ferro, Áurea Ribeiro tem coordenado várias áreas sensíveis da prefeitura, distribuindo comandos aos secretários e efetivando numerosas ações políticas que, como não têm a anuência do filho, são desfeitas tão logo Gustinho Ribeiro delas toma conhecimento. A gestão está de cabeças para o ar.


TEM OUTRO IMPERADOR QUE MANDA MUITO


Como o que está ruim pode piorar, um personagem que sempre teve muito poder de mando, não se sabe se com autorização de quem, fez da Secretaria de Planejamento um feudo particular. O secretário Adriel Alcântara tem nomeado parentes de primeiro e segundo graus para cargos diversos e, curiosamente, sem ser empresário do ramo, comprou uma caçamba  por R$ 18 mil.


FARINHA POUCA, MEU PIRÃO PRIMEIRO


Após comprar o veículo, mesmo em tempos de Ministério Público vigilante e atuante, um destemido Adriel Alcântara o alugou para a empresa responsável pela coleta de lixo em Lagarto. Talvez com o intuído de evitar suspeitas, a velha caçamba está em nome do pai do secretário, que segundo informações não possui renda suficiente para comprar o veículo. Danou-se!


SE OUTROS PODEM, EU TAMBÉM POSSO


Os casos de nepotismo escancarado e cruzado também fazem parte da rotina do Município de Lagarto. O advogado Eduardo Maia, presidente regional no Centro-Sul da OAB/SE e secretário de Educação, indicou entes queridos para cargos públicos na prefeitura, sendo a mais recente dessas indicações a da própria esposa dele, Thamires Maia, como advogada da Secretaria de Saúde.


A CAMINHO DE UMA CANDIDATURA A VEREADOR


Servidores públicos que preferem manter o anonimato comentam que Eduardo Maia tem pretensões políticas e tem trabalhado para construir uma candidatura viável a vereador nas eleições de 2020, de modo que a formação de um grupo político próprio seria, para ele, algo estratégico e a nomeação de parentes para cargos com atuação junto ao público é o que tem movido suas ações.


UM NOVO ESCÂNDALO SENDO GESTADO


O clima entre oposição e situação ficou quente semana passada na Câmara de Vereadores de Lagarto. O vereador JC já vinha questionando o que chama de “farra das quentinhas” na Secretaria de Obras. Ele cobrou da prefeita Hilda Ribeiro explicações para o que tem sido considerado um “quantitativo exorbitante, além da realidade”, de comida distribuída pela gestão.

IRRECUPERÁVEL

Fomos surpreendidos com a notícia de uma carta, que teria sido supostamente escrita por um ex-político de Capela ao Governador Belivaldo Chagas, apelando pelo não fechamento da Maternidade do município. É importante registrar que na última terça-feira aconteceu na Frente do Palácio de Despachos um movimento apartidário, conduzido por capelenses, pelo não fechamento da maternidade.  Naquela oportunidade, a prefeita Silvany Mamlak, além de ter disponibilizado transporte e lanches em prol do movimento, sempre se mostrou ativa e um passo à frente das reivindicações, pois, enquanto os capelenses estavam na manifestação, Silvany participava de uma reunião com o Secretário de Estado de Saúde e o Ministério Público Estadual, tendo, inclusive, marcado uma audiência com a participação da comissão de representantes de Capela para a próxima quarta-feira.

CRÍTICAS

Ocorre que o ex-presidente da Câmara de Vereadores de Capela, irmão do condenado, foi ao  Plenário na última quinta-feira fazendo duras críticas à Prefeita, com ilações de que Silvany não teria apoiado o movimento em favor do não fechamento da maternidade. Nosso blog foi apurar e descobriu que tudo que foi dito pelo vereador não passa de mentiras. Aliás, o vereador tem o mesmo modus operandi do irmão presidiário, e, inclusive, já está sendo indiciado pelo Ministério Público local, por crimes contra a Administração Pública, pois o vereador (irmão do ex-político presidiário) teria realizado diversos saques de cheques nominais emitidos pela Câmara de Vereadores de Capela, em favor de supostos prestadores de serviços e até de servidores daquela casa legislativa, sem que o real endosso tivesse acontecido nos documentos. O vereador e ex-presidente da Câmara de Capela copia o irmão presidiário em tudo que não presta e sempre se coloca em desfavor da coletividade do município.

MONTE ALEGRE

Ministério Público da Vara Criminal de Estância apresentou em 29/10, alegações finais em desfavor de José Luciano Lino, secretário geral e esposo da prefeita de Monte Alegre de Sergipe, nos autos do processo criminal n. 201351000031, no qual, ele está sendo acusado pela prática do crime de Estelionato em virtude de uma celebração contratual de compra e venda de imóveis, que culminou com o pagamento com cheques pré-datados e não compensados devido a falta de provisão de fundos, inclusive tendo passado adiante os imóveis adquiridos com essa transação ilicita. Em suas alegações finais, o promotor de justiça pediu a condenação do acusado.

HC

Caso em sua sentença, o magistrado confirme o pedido da acusação, o secretário geral de Monte Alegre de Sergipe, poderá ter a sua prisão decretada, devido ao fato, de haver contra o mesmo uma condenação pelo mesmo crime na Justiça Federal, processo n. 0000654-60.2016.4.05.8500. De sorte que, na iminência de ocorrer a decretação da prisão, caso uma nova condenação incida na condenação já existente, a defesa do marido da prefeita de Monte Alegre de Sergipe, numa corrida contra o tempo, impetrou em seu favor, um Habeas Corpus Preventivo, processo n. 201900333481, a fim de ganhar tempo e suspender os efeitos dessa possível nova condenação e consequente prisão.




Tópicos Recentes