07/02/2020 as 05:43

Justiça condena prefeito por chamar ex prefeito de ladrão

Diógenes Almeida chamou Antonio Nery de “ladrão” em um dos comícios das eleições de 2018

Política Online

Política
Por Ewerton Júnior
<?php echo $paginatitulo ?>

A justiça sergipana condenou o atual prefeito de Tobias Barreto Diógenes Almeida por ter chamado o advogado e ex-prefeito da cidade, Toinho Nery, de ladrão. A condenação, aguardada por mais de 20 anos por Nery, deu-se após a justiça julgar improcedente a acusação que Diógenes Almeida fez, ao chamá-lo de “ladrão” em um dos comícios das eleições de 2018 que ele patrocinou para sua esposa, então candidata, Deputada Diná Almeida. No seu discurso, repetido ao longo de mais de 20 anos, Diógenes Almeida acusou e disse que o ex-prefeito Toinho Nery cometeu crimes de corrupção quando foi prefeito de Tobias Barreto, há quase 30 anos. Como a acusação de Diógenes Almeida foi sem base e provas, a Justiça sergipana condenou e provou que Toinho Nery é inocente, que nunca cometeu crimes de corrupção quando foi prefeito da cidade e, sendo assim, que o discurso que Diógenes Almeida sempre teve ao longe de todos esses anos é um discurso mentiroso, de quem acusa sem provas e base comprobatórias. “Ao longo de toda minha vida, desde quando entrei na prefeitura de Tobias Barreto em 1993, carrego essa imagem de ladrão e corrupto, que Diógenes ao entrar na prefeitura, no ano de 1997, colocou em mim. Tudo isso com a tentativa de manipular a população em torno da sua gestão catastrófica, que está sendo repetida e finalizada agora em 2020. Acompanhei grande parte do sofrimento do ex prefeito Antonio Nery por ser meu amigo pessoal e meu compadre, e sei do sofrimento por que ele passou até a saida desta decisão judicial.

Diógenes é e sempre foi um mentiroso, que sempre me acusou sem provas e que, quando tive a oportunidade de encará-lo frente a frente na justiça, agiu como eu sempre imaginei que ele agiria, comprovando ser um mentiroso que não tem sequer condições de provar o que diz.”, comentou Toinho Nery. Questionado, o ex-prefeito comentou o motivo pelo qual ele nunca ingressou com uma ação, ao longo de todos esses anos. “Muitas pessoas me perguntam o motivo pelo qual eu nunca impetrei uma ação contra ele e suas acusações. É verdade, passou-se muito tempo para que eu impetrasse com uma ação para ele provar de onde ele tirou esse rótulo de ladrão que ele colocou em mim. Mas, eu sempre acreditei que Deus tem um propósito na vida de cada um e que é preciso termos paciência e esperar o agir dele em nossas vidas. Hoje a população tobiense e sergipana começa a entender o porquê eu fui rotulado dessa forma, apenas por interesses políticos sujos e que, naquela época, conseguiu manipular a população e formar uma opinião contra mim, que era e sou um dos maiores opositores dele na política.”, ressaltou Nery. Por fim, Toinho Nery comentou que na vida, colhemos o que plantamos e, segundo ele, Diógenes está vivendo um momento de colheitas para todas as coisas semeou, bastando ver a administração desastrosa que realiza na nossa querida Tobias Barreto. “Ao longo da minha vida, convivi com mentiras e calúnias como essa, que Diógenes criou com o intuito de me destruir. Ele e todos sabem que eu não sou de revidar o mal com o mal, pelo contrário, eu acredito que tudo que plantamos, nós colhemos. Quem planta o bem, colhe o bem. Quem planta o mal, colhe o mal. E Diógenes está vivendo um momento de colheitas. Reforço que não desejo mal algum para ele, mas apenas quero e desejo que Deus continue agindo sobre minha vida e continue me abençoando abundantemente e que tanto a justiça de Deus quanto a dos homens, continue sendo feita.”, finalizou o ex-prefeito Toinho Nery.

LIMINAR

A Justiça concedeu liminar ao Mandado de Segurança impetrado pelo Sindicato do Fisco do Estado de Sergipe – SINDIFISCO – contra a reforma da Previdência aprovada em dezembro de 2019 pela Assembleia Legislativa. De acordo com a liminar concedida, fica suspenso o desconto previdenciário de aposentados e pensionistas. A Lei Complementar 338 produz um INCONSTITUCIONAL alargamento da base de cálculo da contribuição previdenciária sobre os benefícios pagos pelo INSS.

SUGESTÃO

O deputado federal Fábio Henrique (PDT/SE) usou a tribuna da Câmara Federal, na manhã dessa quinta (06), para sugerir que os governadores aceitem o desafio do presidente Jair Bolsonaro. Para ele, essa foi uma forma que o presidente da República conseguiu para responsabilizar os governadores pelos valores altos dos combustíveis e questionou: “será que o presidente jogou para a torcida?”. O presidente fez um desafio aos governadores, para que eles zerem o ICMS do preço dos combustíveis e o Governo Federal zeraria os tributos federais. A queixa de Bolsonaro é que a Petrobras reduz o preço e a diferença não chega às bombas dos postos. “Os governadores deveriam aceitar o desafio. O preço do combustível pesa muito no bolso do trabalhador, que interfere no deslocamento tanto dos veículos como no do transporte coletivo”, ressaltou o deputado.

COBRANÇA

O vice-presidente da Assembleia Legislativa de Sergipe, deputado Francisco Gualberto (PT), subiu à tribuna na sessão desta quinta-feira (6) para cobrar mais respeito à política e citar exemplos de grandeza, segundo ele, de homens e mulheres que atuam nesse meio. “Vejo muita gente demonizando a política. Muitas vezes por interesses os mais mesquinhos possíveis. Mas nenhuma Nação, desde que o mundo é mundo, pode permanecer sem a existência da política. Não importa qual tipo de política”, disse. Na concepção de Gualberto, pessoas ligadas a setores da imprensa, instituições de Estado, setor empresarial e outros, atacam sistematicamente a classe política justamente porque querem o domínio da hegemonia da sociedade. Mas são aves do agouro, segundo Gualberto, que tentam abater a democracia. “Se não tiver bastante firmeza e convicção de que pela política a gente pode ajudar ao coletivo, não fica na política. É difícil, pois há muitas pedras no caminho”, garante, alertando que os políticos sérios desempenham papel que muita gente não seria capaz de fazer.

TEATRO

O vereador Elber Batalha (PSB), mesmo votando a favor do projeto por entender que os aracajuanos serão beneficiados, criticou a Prefeitura de Aracaju pela cobrança indevida do IPTU a pessoas que teria, isenção. “Esse projeto foi enviado de forma muito tardia para a CMA. Teve vereador que subiu na tribuna para me criticar quando questionei esse PL ano passado, hoje tá vendo o mal que fizeram a 20 mil novas pessoas em Aracaju que nunca pagaram IPTU e receberam o boleto agora em 2020”, lembrou. “Edvaldo massacrou grande parte da população carente com esse projeto e teve o aval da grande maioria deste parlamento. Como ele viu a repercussão negativa, enviou agora essa lei de perdão. Mas, eu questiono: e quem já pagou o IPTU vai receber de volta, prefeito? O que vocês estão dizendo com esse projeto é que quem é bom pagador se arrebentou e perdeu dinheiro. Esse projeto nada mais é que teatro político de Edvaldo Nogueira”, disse Elber Batalha.

GERAÇÃO DE EMPREGO

As perspectivas para sua nova gestão e a necessidade de facilitar o processo de abertura e manutenção de negócios em todo o Estado, não apenas em Aracaju, serão, na visão do presidente da Associação Comercial e Empresarial de Sergipe, Marco Pinheiro, o meio de um processo de expansão e interiorização, inserir os debates empresariais em nível municipal para garantir a construção de políticas públicas para o crescimento econômico.  Segundo o presidente da ACESE, a união entre o setor produtivo constitui numa força para construir um ambiente de desenvolvimento social e econômico. “É importante incentivar o associativismo para que o empresário entenda a sua importância na construção de políticas que fomentem o crescimento econômico”, explicou Pinheiro, que aponta o excesso de burocracias e ausência de mecanismos de fomento à economia como entraves para micro e pequenos empreendedores, e acredita que o debate deve ser feito não apenas em nível nacional e estadual, mas também junto a prefeituras e Câmaras de Vereadores.

 15 MINUTOS

Resolver pendências em instituições bancárias pode se tornar um problema para o cidadão a partir do momento em que há o descumprimento da Lei Municipal nº 3.441, conhecida ‘Lei dos 15 minutos’, que obriga os bancos atenderem aos clientes no tempo máximo de 15 minutos.
 Assim, para estreitar o caminho entre o cliente e a denúncia contra as agências bancárias que descumprem essa legislação, a Prefeitura de Aracaju, por meio do Programa Municipal de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon Aracaju), órgão coordenado pela Secretaria Municipal da Defesa Social e Cidadania (Semdec), desenvolveu o serviço “Denúncia fila de banco”, um link disponível no site procon.aracaju.se.gov.br para facilitar o processo da denúncia, tornando-o simples, prático e rápido. Não precisa baixar aplicativo, basta acessar o endereço eletrônico.

 



Tópicos Recentes