19/02/2020 as 05:17

Fronteiras da decência foram ultrapassadas, diz Huck sobre Bolsonaro

Já o ex-presidente Lula (PT) disse que "está na hora de ele aprender bons modos" e interromper o "comportamento cotidiano" de ofender e achincalhar as pessoas.

Política Online

Política
Por Ewerton Júnior
<?php echo $paginatitulo ?>

O apresentador e empresário Luciano Huck criticou o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) pelo insulto proferido nesta terça-feira (18), com insinuação sexual, contra a jornalista Patrícia Campos Mello, da Folha de S.Paulo. Para Huck, o episódio ultrapassou as fronteiras da decência. Apontado como pré-candidato à Presidência da República em 2022, o comunicador afirmou em redes sociais que "atiçar a violência contra a mulher e atacar o jornalismo independente são desserviços monstruosos". Huck manteve uma atuação discreta nas últimas semanas sobre questões diretamente ligadas ao governo Bolsonaro. O apresentador já foi criticado pelo próprio presidente e por seus apoiadores por causa de opiniões sobre a atual gestão. "Tenho evitado comentar declarações públicas de quem quer que seja. Seja porque torço pelo Brasil, seja porque não quero alimentar fofocas e intrigas. Mas as fronteiras da decência foram ultrapassadas hoje. Triste e revoltante ao mesmo tempo", afirmou ele nesta terça. "Respeito é a base de qualquer sociedade e pilar da democracia. Atiçar a violência contra a mulher e atacar o jornalismo independente são desserviços monstruosos. Meu apoio à mulher e jornalista [Patrícia] @camposmello", completou.

 

Luciano Huck
 
@LucianoHuck
 
 

 

Ver imagem no Twitter
 
939 pessoas estão falando sobre isso
 
 

 

Luciano Huck
 
@LucianoHuck
 
 

Respeito é a base de qualquer sociedade e pilar da democracia. Atiçar a violência contra a mulher e atacar o jornalismo independente são desserviços monstruosos. Meu apoio à mulher e jornalista @camposmello

 
4.061 pessoas estão falando sobre isso
 
A fala de Bolsonaro provocou reações de parlamentares, de entidades de jornalismo e da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), que condenaram a atitude. A Folha de S.Paulo, em nota, disse que o insulto do titular do Planalto agride Patrícia e todo o jornalismo profissional. "Ela [repórter] queria um furo. Ela queria dar o furo a qualquer preço contra mim [risos dele e dos demais]", disse o presidente, em entrevista diante de um grupo de simpatizantes em frente ao Palácio da Alvorada.  A ofensa do presidente à jornalista foi uma referência ao depoimento de um ex-funcionário de uma agência de disparos de mensagens em massa por WhatsApp, dado na semana passada à CPMI das Fake News no Congresso. Líderes políticos de diferentes partidos também repudiaram o gesto de Bolsonaro. O ex-presidente Lula (PT) disse que "está na hora de ele aprender bons modos" e interromper o "comportamento cotidiano" de ofender e achincalhar as pessoas. "Lamentavelmente me parece que a democracia não chegou à cabeça das pessoas. Me parece que a educação, o respeito, não chegou à cabeça do presidente Bolsonaro", comentou o petista.

 

Lula
 
@LulaOficial
 
 

Esse comportamento do Bolsonaro já virou cotidiano dele. Ofender e achincalhar as pessoas. Lamentavelmente me parece que a educação e o respeito não chegaram à cabeça do presidente. Já deu a hora dele aprender bons modos. Educação faz bem pra todo mundo.

3.068 pessoas estão falando sobre isso

 
O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), defendeu o respeito à liberdade de imprensa e classificou como desrespeitosa e condenável a postura de Bolsonaro. "Considero muito desrespeitosa a atitude do presidente mais uma vez em relação aos jornalistas, em especial a uma jornalista mulher." Os presidentes dos demais Poderes silenciaram sobre o ataque. Os presidentes do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do STF (Supremo Tribunal Federal), Dias Toffoli, foram procurados por meio de suas assessorias de imprensa, mas não se manifestaram. O procurador-geral da República, Augusto Aras, também não se posicionou sobre a declaração do presidente. Há algumas semanas, ao participar do Fórum Econômico Mundial em Davos, Huck foi chamado de próximo presidente do Brasil. O apresentador evitou fazer menções diretas a Bolsonaro, mas falou que o país merece representação melhor no exterior. "O Brasil precisa ser mais bem representado, para além da economia", afirmou. Dias depois, em artigo publicado na Folha de S.Paulo, ele afirmou que o país necessita de uma ampla coalizão para enfrentar a desigualdade, martelando aquele que deve ser seu mote de campanha, caso decida concorrer ao Planalto em 2022. O apresentador, que se movimenta no cenário político por meio do apoio a iniciativas como o grupo Agora! e a escola de formação de candidatos RenovaBR, não é filiado a partido, mas tem sido assediado pelo Cidadania. Com informaçõesda Folha.

ANDRÉ

O alcance do foro por prerrogativa de função é restrito a parlamentares federais, se os fatos imputados a eles ocorrerem durante o mandato e em função do cargo. Reforçando o entendimento, a 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal negou pedido do ex-deputado André Moura (PSC) que queria ter processo julgado na Corte. O ex-deputado federal André Moura (PSC) é investigado por peculato e dispensa de licitação em 2010, quando exercia cargo de deputado estadual no Sergipe. Ele apresentou recurso contra decisão do ministro Luiz Edson Fachin, relator, que declinou da competência do STF para processar e julgar um inquérito, determinando a remessa ao Superior Tribunal de Justiça. O julgamento foi retomado com voto-vista do ministro Gilmar Mendes. De acordo com o ministro, o caso não pode ser entendido como de competência do Supremo. Ele afirmou que o julgamento da questão de ordem na Ação Penal 937 foi cristalino em definir as regras para foro por prerrogativa.

SUSPENSAS

O Poder Judiciário do Estado de Sergipe, decidiu suspender a pensão dos ex-governadores de Sergipe João Alves Filho e Antonio Carlos Valadares. A decisão foi do juiz Luis Gustavo Serravalle Almeida, da 3ª Vara Cível de Aracaju, que cassou as pensões consideradas aos ex-governadores, até então vitalícias. Na sentença, o juiz Luiz Gustavo, valeu-se de um argumento da ministra do STF, Cármen Lúcia, que negou o pedido de pensão no Estado do Mato Grosso do Sul. Na decisão, o juiz diz que “sendo assim, pelas razões expostas, defiro o pedido de tutela antecipada formulado na inicial, nos termos do artigo 300 do Código de Processo Civil, para determinar a suspensão dos atos administrativos que concederam pensão especial aos requeridos João Alves Filho e Antonio Carlos Valadares, com a determinação consequente de suspensão imediata dos pagamentos, fixando, desde já, em caso de descumprimento, multa no importe de R$ 2.000,00 (dois mil reais) por dia”.

VETO

Foi mantido por três votos favoráveis e dois contrários, o veto do governador Belivaldo Chagas, ao projeto de lei de autoria do deputado Zezinho Guimarães (MDB), aprovado por unanimidade ano passado. O PL, que dispõe sobre a presença de psicólogos e de assistentes sociais nas escolas da rede pública do ensino fundamental no âmbito do estado de Sergipe. Votaram com o governo, a deputada e relatora Goretti Reis (PSD) e a deputada Diná Almeida (PODE) e a favor do projeto, os deputados Georgeo Passos (CIDADANIA) e Talysson de Valmir (PL). Diná Almeida, desempatou em favor do veto. O deputado Iran Barbosa (PT), que também faz parte da comissão especial do veto, justificou a ausência, em virtude de um compromisso no interior.

WORKSHOP

O  Governo de Sergipe, por meio da Secretaria de Estado do Turismo, promoveu o I Workshop de Gerenciamento Costeiro de Sergipe. Na ocasião, o governador Belivaldo Chagas fez a abertura do evento, que tem o objetivo de apresentar e colher contribuições para o decreto que regulamentará a Lei N° 8.634/2019, que “Institui o Plano e o Sistema Estadual de Gerenciamento Costeiro, e cria o Conselho Estadual de Gerenciamento Costeiro”.m Segundo Belivaldo Chagas, a Lei de Gerenciamento Costeiro passa a ser um marco, pois traz o empreendedorismo no estado com responsabilidade e sustentabilidade. “É fruto de um estudo elaborado, via Prodetur, aprovado na Assembleia. Para tanto, é preciso regulamentá-la, mas antes com ampla sugestão da sociedade. Por isso, o nosso objetivo principal é pedir a colaboração de todos que estão ligados à questão do empreendedorismo com a preocupação ambiental. A partir daqui, vamos realizar consultas públicas e gente espera que, no máximo até o final do ano, possamos editar esse decreto com toda a regulamentação, a partir da contribuição da sociedade, deixando todos tranquilos quanto à aplicabilidade da lei”, declarou o governador.

PONTO FACULTATIVO

O prefeito Edvaldo Nogueira assinou decreto, concedendo ponto facultativo nos dias 24, 25 e 26 de fevereiro, quando se comemora o Carnaval no país. Com isso, os órgãos que compõem a administração municipal de Aracaju estarão com suas atividades suspensas nestes dias. O intuito da gestão é assegurar a manutenção das tradições histórico-culturais do município, permitindo que todos possam participar dos festejos alusivos ao período carnavalesco. De acordo com o decreto assinado pelo prefeito, ficam excluídos da aplicação do ponto facultativo os órgãos e entidades que prestam serviços considerados essenciais ou que não possam sofrer descontinuidade.

IMPECHEAMENT

o Presidente da República Jair Bolsonaro fez insinuações sobre o trabalho da jornalista Patrícia Campos Mello, repórter do jornal 'Folha de S.Paulo', e causou enorme polêmica pelo tom do comentário. "Ela queria um furo. Ela queria dar o furo a qualquer preço contra mim", disse Bolsonaro aos risos na saída do Palácio da Alvorada sobre uma declaração na CPI das Fake News que citava a profissional. O comentário surgiu após um ex-funcionário de uma agência de disparos de mensagens em massa por WhatsApp, Hans River, dizer na CPI das Fake News no Congresso que a jornalista da 'Folha' teria se insinuado sexualmente para obter informações de Bolsonaro. No entanto, o jornal informou que as alegações são falsas e que a profissional teria provas de que River foi quem teria mandado mensagens para a jornalista.




Tópicos Recentes