07/01/2019 as 16:32

ANO NOVO, VIDA NOVA

Ponto de Vista

Política
Por Ivan Valença
<?php echo $paginatitulo ?>

Esta é a primeira coluna deste ano novo de 2019. Eu mesmo me dei férias nos últimos oito dias e só agora estou me voltando para o teclado do computador com vistas a preparar novas colunas para este site.  Em verdade, é uma obrigação que muito me satisfaz. Obrigação ou tarefa? As duas coisas.

Neste primeiro trabalho de 2019, deixe-me relembrar de alguns “anos novos” do passado. De alguns me recorde particularmente bem pelo que ele representou para todos nós, brasileiros e sergipanos. Foi o caso de 1955 quando completei onze anos de idade. Morava então na rua de Laranjeiras, 487, trecho entre as ruas Capela e Santo Amaro. Nos últimos dias do ano anterior, chegou-nos a noticia de que o casarão em frente a nossa casa tinha sido vendida a uma empresa de cinema de Salvador que pretendia construir ali um Cinema. Poucas vezes na vida fiquei tão contente. É que, jáàquela época, nutria uma formidável admiração pela arte inventada pelos irmãos Lumiere e transformada em Arte pelo gênio inimitável de Charles Chaplin.

 Então eu iria morar em frente a um cinema? Seria verdade. E foi. No final do ano de 1955, o ano do centenário da cidade, aquele trecho da rua de Laranjeiras foi interditado aos carros porque o Governador Leandro Maciel viria para a primeira exibição oficial do Cinema Aracaju.  No dia seguinte, a cidade ganhava um outro cinema, o Palace, este muito mais moderno e elegante – tinha até ar condicionado. O Cinema Aracaju tinha um ar retrô: o salão de projeção tinha quatro portas laterais e dois janelões que precisavam ser fechado se as projeções fossem vespertinas. Também tinham que ser fechadas rapidamente se o tempo mudasse e passasse s chover.

A cabina de projeção tinha janelões que abriam para a rua de Laranjeiras, mas mesmo assim era muito quente. Ela ficava no “poleiro” como os guris da época chamavamo primeiro andar do cinema. Abaixo da sala de projeção ficava a direçãoe administração do Cinema Aracaju. A geral era pequena, mesmo para os padrões locais mas era o local preferido pelos namorados. Ali, a gurizada também gostava de frequentar só para flagrar casais de namorados se abraçando e se beijando.

Pois é, ano novo me lembra muito essas coisas, assim como a Procissão de Bom Jesus dos Navegantes pelo estuário do Rio Sergipe. Em algum outro dia, voltarei a esse ponto de vista.

           




Tópicos Recentes