28/02/2020 as 05:44

Em live, Bolsonaro pede serenidade e afirma que respeita os Poderes

Ele refutou informações, veiculadas nos últimos dias, pela imprensa, de que estaria apoiando atos previstos para o próximo dia 15 de março.

Política Online

Política
Por Ewerton Júnior
<?php echo $paginatitulo ?>

O presidente Jair Bolsonaro afirmou durante sua live semanal no Facebook, que não está estimulando protestos contra o Congresso Nacional e o Judiciário, e pediu "serenidade" e "responsabilidade". Ele refutou informações, veiculadas nos últimos dias, pela imprensa, de que estaria apoiando atos previstos para o próximo dia 15 de março, e que teriam, entre as pautas anunciadas, de acordo com as notícias, pedidos de fechamento do Legislativo e do Supremo Tribunal Federal (STF). "Eu não vi nenhum presidente de Poder falar sobre essa questão do dia 15, que eu estaria estimulando um movimento contra o Congresso e contra o Judiciário, não existe isso. Não falaram porque não existe isso. Agora, nós não podemos nos envenenar com essa mídia podre que nós temos aí, em grande parte, podre que nós temos ai. Eu apelo a todo mundo, serenidade, patriotismo, responsabilidade, verdade. Nós podemos mudar o destino do Brasil. Não vou falar bem do meu governo, você que julga na ponta da linha. Pode ter certeza que, cada vez mais, os chefes de Poderes vão se ajustando, porque a nossa união, são quatro homens, quanto mais ajustados nós tivermos, nós juntos podemos fazer um Brasil melhor para 210 milhões de pessoas", afirmou. Bolsonaro disse que respeita os Poderes e que quer ver os projetos enviados pelo governo sendo votados no Congresso Nacional. Segundo ele, como boa parte das suas iniciativas depende do Legislativo, ele acaba sendo cobrado pela população mais do que os parlamentares. "Não existe qualquer crítica a Poderes, agora eu tenho que dar uma satisfação porque na ponta da linha o povo cobra muito mais de mim do que do Legislativo ou do Judiciário".

Sobre o decreto de Garantia da Lei e da Ordem no Ceará, que expira amanhã (28), Bolsonaro afirmou que cabe ao governador do estado resolver o impasse com a Polícia Militar cearense, e ressaltou que o uso da medida deve ser apenas emergencial. Ele aproveitou para pedir apoio de governadores e do Congresso na aprovação do projeto de lei que flexibiliza o conceito de excludente de ilicitude para agentes de segurança durante operações desse tipo. "O que eu pretendo do Parlamento brasileiro, para eu poder ter tranquilidade para assinar GLO, porque nesse momento eu não tenho tranquilidade, nós queremos atender os governadores, mas os governadores tem que ter ciência de que precisam nos apoiar para que o parlamento vote o excludente de ilicitude." Na segunda-feira (24), uma comitiva integrada pelos ministros da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro,  da Defesa, Fernando Azevedo, e da Advocacia-Geral da União, André Mendonça, visitou o estado e se reuniu com diversas autoridades locais. Além dos militares, policiais rodoviários federais e a Força Nacional também atuam na segurança ostensiva no estado, a pedido do governo cearense. As medidas foram adotadas após a paralisação de policiais militares, que estão amotinados em quartéis e batalhões reivindicando melhores condições de trabalho e reajuste salarial. O motim começou no dia 18 e, desde então, ao menos 170 pessoas foram assassinadas no Ceará, entre homicídios dolosos (quando há intenção de matar), feminicídios e latrocínios (furto seguido de morte). Legalmente, policiais militares são proibidos de fazer greve, motivo pelo qual os protestos da categoria são classificados como motim. No dia 21, o governo cearense instaurou inquéritos e afastou por 120 dias 167 policiais militares que participam da paralisação. Os agentes devem entregar identificações funcionais, distintivos, armas, algemas, além de quaisquer outros itens que os caracterizem nas suas unidades e ficarão fora da folha de pagamento a partir deste mês de fevereiro.

 

Jair M. Bolsonaro
 
@jairbolsonaro
 
 

Live de quinta-feira: tacógrafos, táxis, bilhões gastos com a imprensa, MPs perdem validade, projetos em prol do Brasil parados, índios, carteira de motorista, dólar, corona vírus e derivações econômicas mundiais, afinação entre os poderes... http://youtu.be/_3fFNbEbWpI 

 
5.397 pessoas estão falando sobre isso
 

PESQUISA

O Instituto DatAlô vai publicar na proxima segunda feira, pesquisa de opinião publica realizada no municipio de Capela. A pesquisa foi registrada no TSE, e logicamente vai ouriçar os politicos do municipio. Na segunda confira no Jornal Nova Manhã da Nova Brasil Fm, No Jornal da Rio 1 edição no Rio Fm e com exclusividade nos portais de noticias alonews.com.br e sergipenoticias.com, alem é claro na estréia do programa de Messias Carvalho na FM 103 e na Radio Liberdade no programa de Carlos Ferreira.

PSS

Na sessão do Tribunal de Contas do Estado de Sergipe (TCE), o conselheiro Ulices Andrade decidiu pela revogação da medida cautelar de 24 de outubro de 2019, do próprio Tribunal de Contas, que suspendia o Processo Seletivo Simplificado (PSS) da Fundação Hospitalar de Saúde (FHS). A decisão atendeu a manifestação do Ministério Público do Estado de Sergipe. Os conselheiros que compõem aquela Corte de Contas acompanharam o voto do conselheiro Ulices Andrade. No mês de dezembro do ano passado, o Tribunal de Contas manteve suspensos os três Processos Seletivos Simplificados (PSS) criados pela Fundação Hospitalar de Saúde para contratação temporária de médicos e outros profissionais da área de saúde de níveis técnico, médio e superior.

JAPARATUBA

Nos últimos três anos, a Prefeitura de Japaratuba recebeu cerca de 145,5 milhões do Governo Federal, dinheiro este que entrou direto na conta do município através das chamadas transferências constitucionais. Nessa quantia não estão os valores repassados via emendas parlamentares, que financiam obras e equipamentos. O levantamento foi feito pelo pré-candidato a prefeito Dr. Paulo Afonso (REPUBLICANOS), através do Portal da Transparência do governo federal. “É muito dinheiro para pouquíssimo resultado. Aqui cabe um questionamento aos atuais gestores: como esses recursos estão sendo utilizados? Estão sendo aplicados em benefício da população japaratubense?”, provoca Dr Paulo Afonso.

MOÇÃO

Ao apartear o pronunciamento do deputado Iran Barbosa (PT), criticando um vídeo que teria sido compartilhado pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, solicitando o “fechamento dos poderes”, o vice-presidente da Assembleia Legislativa de Sergipe (Alese), deputado Francisco Gualberto (PT), anunciou que dará entrada em uma Moção de Repúdio sobre o pronunciamento do presidente. “Não houve dúvidas sobre o que o presidente queria dizer; não tem nenhuma interpretação outra a não ser de que ele não quer que as instituições democráticas sobrevivam. É deplorável, não aceitável e eu quero sugerir que façamos uma moção de repúdio para que a gente dê entrada aqui na próxima segunda-feira, 2”, enfatizou o deputado.

REAJUSTE

A Agencia Reguladora de Serviços Públicos do Estado de Sergipe (Agrese) autorizou a empresa Deso a reajustar em 5,36% linear em caráter precário, a cobrança da tarifa de água e esgoto, a partir do dia 1º de março. A decisão foi tomada no último 19 de fevereiro, porém até o momento a Deso ainda não comunicou os consumidores sobre o reajuste.  Após tomar conhecimento do reajuste, o deputado Samuel Barreto usou as redes sociais onde afirma que “5,36 % reajuste da DESO publicado diário oficial  no dia de hoje ,27/02 absurdo e inaceitável está política de reajuste sem que ninguém tenha tido nos seus salários qualquer reajuste” disse o parlamentar e concluiu: “Reajuste acima da inflação,abusivo. Contará  com meu repúdio”.

LEVIANA

O pré-candidato a prefeito de São Cristóvão, Coronel Rocha, repudiou a nota publicada pela prefeitura do município em suas redes sociais, em que a atuação da Polícia Militar é criticada. A nota diz que a polícia agiu com truculência durante os festejos carnavalescos no município, que houve abordagens violentas, pede desculpas à população e diz que irá buscar junto ao comando da PM uma providência para que a polícia atue de forma adequada e indistinta nos festejos do município. Coronel apontou que a prefeitura foi leviana com a polícia e que a corporação estava no evento para garantir a segurança dos foliões. “Criminoso não tem cara, não se pode tratar as pessoas de forma diferente. A abordagem é a mesma para todos. A prefeitura é a casa da mãe joana? é um órgão oficial, que precisa se posicionar como tal, mas fez uma acusação leviana e agressiva com policiais que trabalham de sol a sol”, pontuou.




Tópicos Recentes