ECONOMIA

20/08/2019 as 17:55

Antram acusa o sindicato de não aceitar a mediação do Governo

Matias de Almeida falou aos jornalistas no final da reunião.

<?php echo $paginatitulo ?>

O porta-voz da Antram, André Matias de Almeida, afirmou esta terça-feira, que o Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) recusou o processo de mediação, apesar de a associação patronal estar disponível para debater "quase tudo".

 

"Hoje deixámos aqui um documento de manhã onde abríamos quase tudo à mediação. Fomos chamados [esta noite] ao Ministério das Infraestruturas para sermos informados de que o sindicato não aceita a mediação e quer impor aumentos salariais e o pagamento de horas suplementares, e isso não é um processo de mediação", disse o porta-voz da Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (Antram) aos jornalistas, em Lisboa.

Já o vice-presidente do Sindicato, Pardal Henriques, defendeu que o SNMMP marcou presença na reunião para "balizar para o processo de mediação que se iria iniciar hoje e que se iria prolongar por muitos meses". O Sindicato, revelou o advogado, "pediu que os trabalhadores sejam valorizados e que recebam pelo trabalho que fazem. Não abdicamos do pagamento de horas extraordinárias". Foi igualmente pedido um aumento no subsídio para motoristas que manuseiam matérias perigosas, falamos num aumento de 50 euros para cerca de 800 trabalhadores". 

A Antram, revelou Pardal Henriques, "apresentou um documento que deixou ficar cá com o ministro, onde dizia que está disponível para ir para um processo de negociação, desde que seja exatamente o que foi apresentado à Fectrans e imposto ao Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias. Achamos que o mínimo da dignidade dos trabalhadores não estava assegurado e pedimos que as pessoas que fazem trabalho suplementar fossem remuneradas". 

No entendimento do advogado, "a Antram está disponível para negociar, mas não aceita nenhuma condição à partida. Os trabalhadores precisam de garantias que vão ser valorizados". Reiterou o porta-voz do SNMMP que os motoristas estão "sempre dispostos a negociar. Agora vamos adotar as medidas que foram tomadas em plenário, mas aguardamos que a Antram possa evitar complicações para os portugueses". 




Tópicos Recentes