EDUCAÇÃO

22/08/2018 as 17:04

40% dos professores dizem já ter ajudado alunos a lidar com bullying na internet

Dois terços dos professores dizem que estimulam seus alunos a debaterem os problemas que enfrentam na internet

Foto: (Pixabay/Reprodução).<?php echo $paginatitulo ?>

A necessidade de usar a internet com responsabilidade está cada vez mais presente nas escolas. Quatro em cada dez professores brasileiros já ajudaram pelo menos um de seus alunos ou alunas do ensino básico que estavam sofrendo bullying pela internet, segundo dados da pesquisa TIC Educação 2017, do Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br), divulgada na manhã desta quarta-feira (22).

Além disso, 56% deles já promoveram debates entre os alunos sobre o uso seguro da internet, e dois terços dizem que estimulam os alunos a falarem sobre os problemas que enfrentam na web.
Porém, só em 41% das escolas particulares e em 18% das públicas

Pesquisa nacional anual

A pesquisa, que tem abrangência nacional, ouviu durante os meses de agosto e dezembro de 2017 um total de 1.015 professores de 957 escolas públicas e particulares em áreas urbanas, além de fazer entrevitas com 957 diretores, 884 coordenadores pedagógicos e 10.866 alunos do 5º e do 9º ano do ensino fundamental ou do 2º ano do ensino médio.

Pela primeira vez, a pesquisa também chegou a escolas rurais, e foram feitas 1.481 entrevista com diretores ou responsáveis.

Problemas na internet

Os pesquisadores perguntaram aos professores se eles haviam ajudado algum aluno a enfrentar problemas como "bullying, discriminação, assédio, disseminação de imagens sem consentimento", e 40% dos professores que responderam afirmaram que sim.

Entre as professoras mulheres, esse número foi mais alto: 42%, comparado com 34% dos homens.

No caso dos professores que dão aula na rede pública, 39% deles disseram que já prestaram essa ajuda, enquanto essa porcentagem subiu para 44% nas escolas particulares.

Os professores que mais dizem oferecer esse tipo de apoio a seus estudantes são os que têm entre 31 e 45 anos; nesse caso, 45% responderam afirmativamente à pergunta.

Entre os professores do 5º ano, 41% disseram que já prestaram auxílio desse tipo, contra 44% dos professores do 9º ano do fundamental. Já os professores de ensino médio são os que menos disseram que sim para esses casos (36%).

Debates em sala de aula

Além de aparecer na hora de lidar com problemas específicos dos adolescentes, o bullying na internet também virou tema na sala de aula. A maior parte dos professores diz que já promoveu um debate com os alunos sobre como usar a Internet de forma segura.

Além disso, 66% deles disseram que estimulam seus alunos a conversarem sobre os problemas que eles enfrentam na internet.

A pesquisa comparou as respostas dos professores de língua portuguesa, de matemática e das múltiplas disciplinas (caso dos professores do 5º ano do fundamental). Entre esses últimos, 73% disseram que estimulam esse debate, enquanto a porcentagem foi de 70% entre os professores de português, e de 56% entre os de matemática.

Entre os professores de escola particular, essa porcentagem sobe para 79%, já na rede pública, ela foi de 63%.

Na rede particular, 96% dos coordenadores pedagógicos afirmaram que dão orientação aos alunos para enfrentar situações ocorridas na Internet (bullying, discriminação, assédio, disseminaçãode imagens sem consentimento) e 80% disseram que promovem atividades de capacitação para que os professores saibam orientar seus alunos a usar a internet com segurança.

Na rede privada, essas porcentagens caem para 76% e 57%, respectivamente.


 

 

 

 

Com informações de Ana Carolina Moreno, G1.




Tópicos Recentes