EDUCAÇÃO

14/09/2018 as 15:18

Henrique Meirelles promete ampliar Fies e manter política de cotas

Candidato da MDB à presidência da República visitou centro universitário particular em Brasília

Foto: (Luiza Garonce/G1).<?php echo $paginatitulo ?>

O candidato do MDB à presidência da República, Henrique Meirelles, cumpriu agenda em Brasília na manhã desta sexta-feira (14). No auditório de um centro universitário particular, ele disse que, se for eleito, vai ampliar o acesso dos estudantes de baixa renda ao ensino superior.

“Estamos discutindo uma proposta de aumentar a disponibilização do Fies. O que deve ser alcançado pelo estudante para conseguir o Fies? Tem a renda e a aprendizagem”, explicou.

Em fevereiro, Meirelles havia afirmado que o Fies gerou um passivo “elevado” para o Tesouro Nacional. Na ocasião, o candidato deu a declaração em uma palestra no Seminário Internacional sobre Financiamento Estudantil, ao defender uma reformulação do sistema.

“Estamos analisando o tipo de pontuação dos estudantes que saem da educação pública. Temos que melhorar o nível. Muitas vezes, a escola pública não dá aos estudantes condições para que eles consigam a pontuação necessário”, prosseguiu.

Segundo ele, o acesso atual à educação superior também é dificultado pela carência de vagas na rede pública nos ensinos fundamental e médio, e por “dificuldades de financiamento da [educação] privada”.

Henrique Meirelles se reuniu com o reitor do Uniceub, Getúlio Américo Moreira Lopes, e com representantes acadêmicos. Depois, foi a um bate-papo com estudantes.

Política de cotas

Questionado sobre o sistema de cotas, implementado em 2003 durante o governo do ex-presidente Lula (PT), Henrique Meirelles disse ser favorável às políticas raciais e sociais de ingresso nas universidades públicas.

“Temos que manter, mas sempre com atenção grande no aprendizado. Todo estudante tem direito de entrar na universidade, inclusive pelas cotas. Mas ele, os professores e as instituições têm que se comprometer com a qualidade do aprendizado.”

O candidato também disse apoiar a aplicação de cotas em empresas públicas e privadas — para deficientes, por exemplo. “O crescimento [do profissional] dentro empresas, muitas vezes, fica prejudicado. A cota tem que prever a ascensão profissional.”

Geração de empregos

O candidato afirmou que, para gerar 10 milhões de empregos em quatro anos, o Brasil precisa de “contas equilibradas e confiança”.

“Com inflação e juros subindo, com crise, um país quebrado, nada se resolve”, disse Meirelles. “No dia em que assumi o Banco Central do Brasil, em 2003, a confiança começou a crescer. Houve um crescimento real de emprego e renda. Controlei a inflação, estabilizei a economia e houve muito investimento porque os empresários confiaram em mim.”

Se for eleito, o candidato do MDB disse que também vai criar escolas técnicas para qualificar quem deseja ingressar ou voltar para o mercado de trabalho

“Vamos criar treinamentos específicos de ensino profissionalizante, especialmente para os jovens que estão buscando emprego pela primeira vez.”


 

 

 

Com informações de G1.




Tópicos Recentes