EDUCAÇÃO

10/03/2019 as 17:00

Governo de Sergipe intensificará ações de busca ativa escolar

Paralelamente, a Seduc finaliza a formatação do Programa Estadual de Correção de Fluxo Escolar, iniciativa que visa assegurar a aprendizagem dos alunos matriculados na escola pública

Agência ASN
<?php echo $paginatitulo ?>

De 25 a 29 de março, o governo de Sergipe em parceria com o Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Educação), realizará o Mutirão da Busca Ativa Escolar, ação abrangente de mobilização social em regime de colaboração com os municípios, que atingirá 1.750 unidades escolares e objetiva identificar crianças e adolescentes que deixaram de frequentar a escola e adotar as devidas providências para garantir a matrícula desses cidadãos.  A mobilização é coordenada pela Secretaria de Estado da Educação, do Esporte e da Cultura (Seduc). 

Essa ação integra os trabalhos da Busca Ativa Escolar, uma plataforma digital gratuita desenvolvida pelo Unicef para ajudar os municípios a combater a exclusão escolar, iniciativa intersetorial à qual o Estado aderiu no último mês de outubro.

Além de agir para assegurar que toda criança e adolescente esteja na escola, a Seduc desenvolve, paralelamente, um conjunto de ações para garantir a aprendizagem desses estudantes. Neste sentido, o órgão finaliza a formatação do Programa Estadual de Correção de Fluxo Escolar, uma estratégia inédita em Sergipe que visa corrigir a distorção idade-série dos estudantes do ensino fundamental matriculados na rede pública de ensino, desenvolvida, também, em parceria com o Unicef.

Essa agenda de ações da política educacional do Governo de Sergipe pautou reunião de trabalho realizada nesta sexta-feira, 8, pelo secretário de Estado e pelo superintendente executivo da Educação, do Esporte e da Cultura, professores Josué Modesto e Ricardo Santana, respectivamente, com a participação de todos os gestores das Diretorias de Educação e dos departamentos internos da pasta e do presidente estadual da Undime (União Nacional de Dirigentes Municipais de Educação), Tiago Carvalho, secretário da Educação do município de Itabaianinha.

De acordo com Josué Modesto, devido à adesão que o Estado fez à Busca Ativa Escolar, o Unicef entra com a metodologia e com as ferramentas tecnológicas, e os municípios, em regime de colaboração com o Governo de Sergipe, realizam a atividade de busca ativa, de forma contínua, identificando, a partir dos seus arranjos institucionais, crianças e adolescentes que estão fora da escola. “À Seduc, além da coordenação de toda esta ação intersetorial, cabe a mobilização dos municípios sergipanos para que estes (re)matriculem as crianças e adolescentes na rede pública de ensino”, explica.

Diretora do Departamento de Educação da Seduc, a professora Ana Lúcia destaca que, a partir da localização do aluno, todo o processo é feito pela internet, e a ferramenta pode ser acessada em computadores de mesa, computadores portáteis, tablets, celulares (SMS) e smartphones. Para agentes comunitários e técnicos verificadores que não têm acesso a dispositivos móveis há formulários impressos.

“Para tanto, no último mês de fevereiro, capacitamos os técnicos das diversas áreas envolvidas no trabalho de busca ativa escolar, os quais operacionalizarão a plataforma.  Nesta capacitação, os técnicos elaboraram o Plano de Trabalho das atividades que serão desenvolvidas em parceria com a Undime, Colegiado Nacional de Gestores Municipais de Assistência Social (Congemas) e Instituto TIM”, afirma Ana Lúcia.

Correção da distorção idade-série

Durante a reunião de trabalho, o secretário Josué Modesto tratou, também, do Programa Estadual de Correção de Fluxo Escolar, que está na fase de finalização e deverá ser encaminhado para apreciação e aprovação do Conselho Estadual de Educação ainda este mês.

Iniciativa inédita no Estado de Sergipe, o Programa de Correção de Fluxo Escolar está sendo construído pela Seduc com a participação de equipes escolares das unidades de ensino que já manifestaram interesse em aderir a esta ação. A ideia principal é desenvolver estratégias inovadoras que permitam corrigir a distorção idade-série dos estudantes do ensino fundamental matriculados na rede pública de ensino.

Para isso, a Seduc aliou ao programa estadual a expertise do Unicef, instituição que desenvolve a iniciativa Trajetórias de Sucesso Escolar, uma estratégia de reversão do fracasso escolar e da distorção idade-série, que valoriza a aprendizagem permanente dos estudantes. “A defasagem idade-série dos estudantes da escola pública de Sergipe é um problema grave e deve ser enfrentado com a somação de esforços, tanto do Governo do Estado quanto dos municípios”, alerta Josué Modesto.

Nesse sentido, após firmar parceria com o Unicef para ações de busca ativa escolar, a Seduc estreitou ainda mais a relação com o Fundo das Nações Unidas e trouxe para Sergipe a expertise desta instituição na superação do desafio de corrigir a distorção idade-série dos estudantes.

“Tão importante quanto corrigir a distorção é focar nossas ações na aprendizagem dos estudantes. Por esse motivo, estamos desenvolvendo ações que visam assegurar a efetividade da aprendizagem dos alunos, ou seja, ações de acompanhamento permanente e de intensificação da aprendizagem”, afirma o secretário estadual da Educação.

Inicialmente, o Programa Estadual de Correção de Fluxo Escolar será implementado em um grupo de escolas-piloto da Rede Estadual de Ensino para, posteriormente, ser expandido às escolas das redes municipais. A definição das escolas-piloto se deu a partir da análise do estudo dos fluxos das escolas estaduais, sendo selecionadas as que apresentaram maior número de matrícula de alunos em defasagem idade-série.

“O programa de correção da distorção idade-série vai apresentar estratégias de ensino criativas e inovadoras que assegurem a aprendizagem dos estudantes e nos permitir atuar em duas frentes ao mesmo tempo: a de correção de fluxo e a de aprendizagem”, destaca a professora Ana Lúcia Muricy.

A estratégia do Unicef Trajetórias de Sucesso Escolar, à qual o governo estadual se aliou, considera que a complexidade do problema do fracasso escolar e da distorção idade-série exige ações integradas em três níveis de gestão: das redes, da escola e da sala de aula. Por isso, apresenta um conjunto de cadernos específicos para cada nível, mas articulados no sentido de permitirem um trabalho integrado que valorize a aprendizagem permanente dos estudantes. 




Tópicos Recentes