EDUCAÇÃO

09/04/2019 as 15:41

Novo ministro da Educação afirma que não é radical e se diz capaz de entregar resultados

Abraham Weintraub, que substitui Ricardo Vélez Rodríguez, demitido, tomou posse nesta terça-feira (9) em cerimônia no Palácio do Planalto.

Reprodução/NBR<?php echo $paginatitulo ?>

O novo ministro da Educação, Abraham Weintraub, sucessor do demitido Ricardo Vélez Rodríguez, afirmou nesta terça-feira (9) durante cerimônia de posse no Palácio do Planalto que não é um "radical" e que tem "capacidade de gestão para entregar resultados".

Abraham Weintraub foi anunciado como novo ministro nesta segunda-feira (8) pelo presidente Jair Bolsonaro, após uma sucessão de crises na pasta durante a gestão de Vélez Rodríguez. Segundo o presidente, havia um problema de gestão no ministério e estava "bastante claro" que não estava "dando certo".

"Tenho capacidade de gestão para entregar o resultado", declarou. "Não falo isso para me vangloriar. Dificilmente falo com a imprensa. Falo para acalmar os ânimos, colocar a bola no chão", afirmou.

Segundo ele, "o foco é principalmente com a população, com quem está na ponta, com o pagador de impostos. Tem de entregar melhor o serviço".

"Por que a gente tem resultados tão ruins [em educação]? Com o que a gente gasta em relação ao PIB [Produto Interno Bruto], temos de entregar mais. Os indicadores do Pisa [Programa Internacional de Avaliação de Estudantes] colocam o Brasil bem abaixo da média", declarou.

Weintraub disse no discurso de posse que o diferencial dele em relação a ministros anteriores é que não é filiado a partido político, mas um técnico.

Segundo ele, de 11 ministros anteriores, 65% eram filiados a partidos.

"Eu não tenho filiação partidária. Eu tenho convicções políticas e elas guiam os meus passos, mas eu, Abraham, não estou acima do mandato que o presidente recebeu", afirmou.

O novo ministro também afirmou que não é um "radical" e se definiu como alguém "de diálogo".

"Tem gente que fala que sou muito radical. Não sou radical. Eu sou aberto ao diálogo. Enquanto você não ameaçar a vida, a integridade física de alguém, eu estou aberto ao diálogo", declarou.

 

Com informações do G1

 



Tópicos Recentes