EMPREENDEDORISMO

13/02/2018 as 10:02

Almofadas luxuosas rendem mais de R$ 3 milhões para trio de empresárias

A ideia do negócio foi da arquiteta Silvia que, quando trabalhava vendendo sofás, percebeu que os clientes sentiam falta de um produto diferenciado para se destacar na decoração.

Foto: (Revista Pegn)<?php echo $paginatitulo ?>

Um problema no setor de decoração está fazendo três empreendedoras se destacarem: a falta de opções de almofadas. Alessandra Lago, 47, Silvia Napoli, 44, e Cintia Martins, 39, trabalhavam em lojas do segmento quando decidiram que era a hora de mudar esse cenário. Elas então começaram a produzir almofadas diferentes das que estavam disponíveis no mercado.

 

A ideia do negócio foi da arquiteta Silvia que, quando trabalhava vendendo sofás, percebeu que os clientes sentiam falta de um produto diferenciado para se destacar na decoração. Ela convidou a amiga Alessandra para participar do projeto. Cintia, que trabalhava com a Alessandra produzindo jogos americanos, também foi convidada. E assim surgiu a Codex Home.

O negócio começou com encomendas de almofadas a domicilio, em que elas não possuíam um estoque. Alessandra visitava escritórios de arquitetos com uma mala com cartelas de cores e tecidos disponíveis para a confecção do produto. No início, elas vendiam cerca de 50 almofadas por mês, que custavam cerca de R$300 reais.

Em uma dessas vendas a domicílio, elas conheceram uma arquiteta que as incentivou a abrir uma loja física. Desta forma, elas teriam um espaço para ter estoque e atender mais clientes. As sócias inauguraram um espaço na Alameda Gabriel Monteiro da Silva, em São Paulo. O  endereço é conhecido por reunir as marcas mais sofisticadas do mercado de design, decoração, arte e arquitetura de interiores.

E foi com a loja que o negócio realmente decolou. Entre seus principais clientes estão os arquitetos Guilherme Torres e João Armentano. Atualmente, elas vendem cerca de 600 almofadas por mês que custam entre R$ 280 e R$ 1000. As mais caras são feitas de escama de tilápia ou neoprene. Com elas, as sócias chegaram a faturar R$ 3,3 milhões em 2017. 

Outro diferencial da loja é que os clientes também podem criar uma nova almofada do jeito que eles quiserem e escolher características como cor, tecido e tamanho.

Alessandra, que desenvolve a parte estética das almofadas, conta que ela busca inspirações em lugares diferentes para criar os produtos. “Além de ver decoração, nos inspiramos muito nas tendências e informações que vem da moda”, diz a empreendedora. Para ela, a maior vantagem da empresa é que as três sócias são muito amigas. “Nós três somos diferentes e nos complementamos".

 

 

Fonte: Revista Pegn.




Tópicos Recentes