MUNDO

20/10/2018 as 10:39

Universidade americana concorda em pagar US$ 215 mi a supostas vítimas de abuso sexual

Médico negou as acusações feitas por centenas de mulheres, que vão desde estupro até toques inapropriados, durante os exames realizados em 30 anos

Foto: (Reprodução/Destak).<?php echo $paginatitulo ?>

 

A Universidade do Sul da Califórnia (USC) declarou nesta sexta-feira (19) ter alcançado um acordo para pagar 215 milhões de dólares em indenizações por supostos abusos sexuais por parte de um ginecologista do campus.

O médico George Tyndall negou as acusações feitas por centenas de mulheres, que vão desde estupro até toques inapropriados, durante os exames médicos realizados em 30 anos de carreira.

Também foi acusado de tirar fotos dos genitais de suas pacientes e fazer observações lascivas sobre seu físico, assim como comentários racistas e homofóbicos.

Apesar das múltiplas queixas de estudantes e enfermeiras, ele não foi investigado até 2016, quando foi feita uma investigação interna por conta de uma queixa dada no centro que lida com relatos de agressão sexual.

A investigação encontrou falhas em seus exames, mas Tyndall conseguiu se aposentar sob um acordo amigável com a USC.

A polícia de Los Angeles abriu sua própria investigação e, em junho, revistou a casa do médico.

De acordo com o Los Angeles Times, 463 mulheres processaram a universidade, algumas como parte de uma ação coletiva.

A USC concordou em desembolsar 215 milhões de dólares em um esforço para apaziguar as demandas. O acordo, que ainda precisa ser revisado por um juiz federal, incluiria um pagamento de 2.500 dólares para cada ex-paciente do médico e 250.000 para as que sofreream abuso.

No caso de Larry Nasser, o ex-médico da equipe de ginástica olímpica americana condenado a entre 40 e 125 anos de prisão por abusar sexualmente de 265 vítimas, a Universidade de Michigan, que o empregou, teve que pagar cerca de 500 milhões de dólares em indenizações.


 

 

 

 

Com informações de France Presse.




Tópicos Recentes