POLÍTICA

01/11/2018 as 14:40

Moro aceita convite de Bolsonaro para ser ministro da Justiça

Juiz responsável por casos da Lava Jato vai assumir uma pasta turbinada com outros órgãos de combate à corrupção

Foto: (© Reuters / Paulo Whitaker).<?php echo $paginatitulo ?>

 

O juiz federal Sérgio Moro, titular da 13ª Vara Federal de Curitiba, aceitou o convite do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), para ser ministro da Justiça do novo governo.

"Após reunião pessoal na qual foram discutidas políticas para a pasta, aceitei o honrado convite. Fiz com certo pesar pois terei que abandonar 22 anos de magistratura. No entanto, a pespectiva de implementar uma forte agenda anticorrupçãoo e anticrime organizado, com respeito a Constituição, a lei e aos direitos, levaram-me a tomar esta decisao. Na prática, significa consolidar os avanços contra o crime e a corrupção dos íltimos anos e afastar riscos de retrocessos por um bem maior", afirmou Moro em nota.

O juiz federal afirmou que vai deixar a Lava Jato nos próximos dias. "A Operaçãoo Lava Jato seguirá em Curitiba com os valorosos juízes locais. De todo modo, para evitar controvérsias desnecessárias, devo desde logo afastar-me de novas audiências. Na próxima semana, concederei entrevista coletiva com maiores detalhes", completou o juiz.

O juiz federal responsável pelos casos da Lava Jato em Curitiba vai assumir um Ministério da Justiça ampliado, com órgãos de combate à corrupção que estão subordinados a outras pastas atualmente, como a Polícia Federal e o Coaf.

Moro chegou por volta das 9h na residência de Bolsonaro. A reunião durou pouco mais de uma hora e meia. Ao deixar o condomínio na Barra da Tijuca, Morou chegou a sair do carro para falar com a impresa. Com o tumulto, no entanto, o juiz voltou para o veículo sem fazer nenhuma declaração.

Durante o voo de Curitiba para o Rio de Janeiro, Moro disse para a Globo que o Brasil precisa de uma agenda anticorrupção e anticrime organizado. "Se houver a possibilidade de uma implementação dessa agenda, convergência de ideias, como isso ser feito, então há uma possibilidade. Mas como disse, é tudo muito prematuro", havia dito o juiz.

A defesa do ex-presidente Lula (PT), que está preso em Curitiba desde abril, condenado por Moro, já pediu na Justiça a nulidade dos processos conduzidos pelo juiz, alegando falta de imparcialidade.

Pelo Twitter, Bolsonaro afirmou que o trabalho de Moro será norteado pela Constituição.


 

 

 

 

Com informações de Destak Jornal.




Tópicos Recentes