POLÍTICA

30/11/2018 as 03:14

Aracaju: de “capital da qualidade de vida” ao “forró do zabumbeiro manhoso”!

Quorum

Política
Por Habacuque Villacorte
<?php echo $paginatitulo ?>

“O pandeiro está chorando/A falta que ele faz/Ele chora mestre Jackson/Que não volta nunca mais/Quando eu me lembro dele/Com o pandeiro na mão/Saudade dói no meu peito/É triste a recordação/De repente vem o pranto/Por quem ficou na história/Ele continua vivo dentro da nossa memória”. O trecho acima é uma obra do Forró Manhoso, em um tributo ao saudoso Jackson do Pandeiro, que é parte na história cultural nordestina e que teve seu primeiro contato com a música através da zabumba. Um paraibano que merece o nosso reconhecimento e todas as homenagens.

 

Desde então muitos outros nomes marcaram a trajetória do Forró que passou por várias “mutações” e adaptações. É o ritmo da essência do nordestino, que contagia o nosso povo. O mês de junho está dentro da tradição cultural da região e algumas cidades se tornaram “referências” em grandes eventos, pelos festejos que proporcionaram, como Caruaru (PE), Campina Grande (PB) e Aracaju (SE). Passamos a figurar no calendário nacional de eventos com o Forró Caju, evento multicultural que sempre trouxe apresentações de artistas locais e de grandes interpretes do ritmo no cenário nacional.

 

Por um bom tempo propagou-se pelo Nordeste e para o Brasil que Aracaju tinha atingido o posto de “capital da qualidade de vida e capital do forró”, pelos indicadores apresentados, pelo conjunto dos serviços públicos prestados à coletividade pela grandiosidade da festa, pela importância dela na geração e renda, aquecendo a economia local. Com o passar dos anos, o discurso positivo foi-se esvaindo, a cidade sergipana foi perdendo a desenvoltura e a festa ia vendo o “brilho” ficar mais distante, na medida em que a gestão não vinha mais sendo eficiente naquilo que se propunha.

 

Os anos se passaram, Aracaju enfrentou problemas na gestão anterior de Edvaldo Nogueira, muitos se repetem na atual, sem contar os inúmeros equívocos da gestão do ex-prefeito João Alves Filho (DEM). A cidade ficou cada vez mais distante do posto de “capital da qualidade de vida”, tão quanto da “patente” de “capital do forró”. Em 2017, inclusive, a Prefeitura pela primeira vez não realizou o Forró Caju. Em junho passado, graças a atuação do líder do Congresso Nacional, deputado federal André Moura (PSC), a PMA voltou a realizar a festa.

 

Graças a André Moura também houve o resgate do tradicional Forró da Rua São João, como também os Arraiás dos Bairros. O parlamentar viabilizou recursos para 39 municípios sergipanos, além do Governo do Estado com a Vila do Forró, na Orla de Atalaia. 38 cidades receberam seus recursos e quitaram as despesas de seus respectivos eventos. O mesmo fez o governador Belivaldo Chagas (PSD). Apenas a Prefeitura de Aracaju não conseguiu liberar o dinheiro, por “supostos problemas burocráticos”. No meio desse impasse os forrozeiros sergipanos, que tocaram no Forró Caju, até agora não receberam seus cachês.

 

O pior é que, passado todo esse tempo, a PMA e o prefeito Edvaldo Nogueira não conseguem encontrar uma solução. Artistas renomados já teriam recebido por suas apresentações e para os sergipanos sobrou a humilhação. Cansado de tanto esperar, durante uma reunião aberta essa semana, um dos músicos interrompeu a fala do prefeito e desabafou: disse que, durante entrevista em uma rádio de Caruaru, ouviu que “Edvaldo é o prefeito mais manhoso do Brasil”. Triste sina da nossa Aracaju, de capital da qualidade de vida ao “forró do zabumbeiro manhoso”. Que fase...

 

Veja essa!

Em entrevista ao radialista Narciso Machado, na FAN FM, o secretário de Comunicação da PMA, Luciano Correa, chegou a questionar a forma como o artista Jacaré, do tradicional Trio Pantanal, questionou ao prefeito pela falta de pagamento de seu cachê do Forró Caju.

 

E essa!

É muito fácil para o senhor secretário de Comunicação questionar a postura do forrozeiro sergipano com seus salários em dia. Quem se preparou, tocou e sonhou em receber o recurso não foi Luciano, mas Jacaré e os demais. Eles fizeram a parte deles. A PMA que faça a sua. Esse dinheiro pode fazer uma diferença muito grande na vida dos profissionais...

 

Alô TCE!

Por mais que existam problemas burocráticos atrapalhando o repasse dos recursos federais para a PMA, por mais que os forrozeiros sergipanos ainda não tenham recebido seus cachês, Edvaldo já prepara o lançamento do Reveillon da capital. Haverá um novo “calote” aos artistas ou o dinheiro está assegurado? Com a palavra o TCE...

 

Falando no Reveillon

A informação é que parte da festa da Prefeitura de Aracaju será financiada pelo Sindicato das empresas de ônibus. Coincidências à parte, bem no momento da polêmica sobre o valor da passagem do transporte coletivo que pode passar a custar R$ 4,40. É cada coisa que a gente vê...

 

Para que serve a CMA?

Diante de “coincidências” como essas, este colunista reforça uma pergunta que está na boca do povo aracajuano: para que serve a Câmara de Vereadores? O que eles estão fazendo para combater esse iminente aumento “abusivo” da tarifa do transporte? Pelo visto em 2016 a CMA mudou, para pior...

 

Bomba!

O Ministério Público Estadual está investigado uma denúncia grave apontando indícios da prática de crime de concussão, contra a administração pública e que, na prática, teria sido cometido por algum agente público.

 

Exclusiva!

O processo está sendo mantido em absoluto sigilo, mas segundo informações oriundas do próprio Ministério Público, trata-se de crime de lavagem de dinheiro ou ocultação de bens, direitos ou valores. Em breve maiores informações...

 

E a Saúde, MP?

Seria interessante que nessa “onda de investigações”, o MPE dedicasse uma “atenção especial” para a Saúde de Aracaju. A secretaria é um órgão público, mas os servidores comissionados que formam o grupo da assessora especial Mônica Passos, esposa do poderoso Jeferson Passos, restringem o acesso do povo no local, inclusive de informações que deveriam ser de domínio público. Por que tanto sigilo? A coluna está muito perto de descobrir as razões para tanto “segredo”...

 

Reforma Administrativa

O governador Belivaldo Chagas apresentará aos deputados estaduais o projeto de Reforma Administrativa, que pretende encaminhar para a Assembleia Legislativa, na próxima segunda-feira (3), às 11 horas, no Palácio de Despachos. A expectativa é que, no dia seguinte, a proposta chegue à Alese.

 

Fora Jackson?

Existem rumores que os irmãos Sérgio e Fábio Reis, em sintonia com o empresário Marcos Franco, estão trabalhando para assumirem o comando do MDB em Sergipe. Querem a todo destituir figuras antigas como Gama, Benedito Figueiredo e o próprio Jackson Barreto. Como diz o velho ditado popular, “rei morto, rei posto”...

 

E o Taj Mahal?

Até meados desse ano, um dos assuntos que mais movimentaram o jornalismo de vários setores da imprensa de Sergipe foi o polêmico contrato de aluguel do Centro Administrativo de Saúde, “batizado” na gestão do então secretário Almeida Lima de “Taj Mahal”. Agora, como perguntar não ofende nunca, por que os comunicadores “esqueceram” da polêmica?

 

Qual a razão real?

Até onde este colunista tem conhecimento, a Saúde Estadual continua funcionando no mesmo prédio e talvez sob o mesmo aluguel mensal de R$ 150 mil. Será que mudou algo de lá para cá? O contrato foi reincidido? Por que? Ou o objetivo de setores da imprensa era de apenas “derrubar” Almeida Lima?

 

TCE I

O presidente do Tribunal de Contas do Estado (TCE/SE), conselheiro Ulices Andrade, participa de atividades do VI Encontro Nacional dos Tribunais de Contas, ocorrido em Florianópolis (SC). Também estão entre os participantes o conselheiro Clóvis Barbosa, o conselheiro substituto Rafael Fonsêca, procurador-geral do MP de Contas, João Augusto Bandeira de Mello, e a diretora Administrativa e Financeira, Ana Cristina Guimarães, além de integrantes do corpo técnico da Corte. 

 

TCE II

Com a temática “O futuro dos Tribunais de Contas: invação, integração, prevenção e eficiência”, o evento, que segue até a esta sexta (30), conta com uma série de debates focados na integração entre as Cortes e o aperfeiçoamento do controle externo. O público é formado por 800 participantes dos 33 Tribunais de Contas do país, entre conselheiros, servidores do quadro técnico e procuradores do Ministério Público especial.

 

Defensoria Pública I

A busca por uma vaga nas poucas creches da Capital tem sido uma via-crúcis para mães e pais que não têm com quem deixar seus filhos. E para reduzir essa problemática, a Defensoria Pública do Estado de Sergipe, por meio do Núcleo da Criança e do Adolescente, iniciou uma série de audiências públicas nos bairros para ouvir as reivindicações e concretizar o direito à educação infantil.

 

Defensoria Pública II

A próxima Audiência Pública acontece nesta sexta-feira (30), às 16h, na Escola Municipal Papa João Paulo II, no Bairro Santa Maria. Os defensores públicos Fillype Rigaud e Daniel Faria estarão apurando deficiências com relação a creches no Bairro e adjacências. Sem acesso a rede pública universalizada de cuidados para crianças de até três anos, as trabalhadoras com filhos pequenos sofrem uma série de exclusões no mercado, o que prejudica a inserção e o desenvolvimento profissional feminino.

 

Reajuste desembargadores I

O Tribunal de Justiça de Sergipe (TJ/SE), em sessão plenária realizada no dia 27, no Palácio da Justiça, aprovou a Resolução n° 29/2018, aumentando em 16,3% a remuneração dos juízes sergipanos. A Presidência do Tribunal, por meio da Resolução 29, eleva o subsídio dos desembargadores, de R$ 30.471,11 para R$ 35.462,27.

 

Reajuste desembargadores II

O principal fundamento é a Lei Federal nº 13.752, de 26 de novembro de 2018, publicada no dia anterior, que elevou o subsídio dos ministros do Supremo Tribunal Federal, e os artigos 37, XI, e 93, V, da Constituição Federal. Com a aprovação dessa resolução, os subsídios dos juízes também serão reajustados no mesmo percentual, por força da Lei nº 5.717/2005.

 

André Moura I

O Tribunal Superior do Trabalho (TST) entregou a medalha “Ordem do Mérito do Trabalho Getúlio Vargas” a várias personalidades e entidades que contribuíram na melhoria do trabalho no País. Entre os agraciados esteve o deputado federal André Moura (PSC) que se destacou trabalhando em busca da atualização e adaptação das relações de trabalho.

 

André Moura II

O deputado declarou sentir-se muito orgulhoso por tamanho reconhecimento, dentre tantas personalidades, principalmente neste ano, pois desde 2013 a condecoração não era entregue. Entre os presentes ao evento o presidente Michel Temer, o presidente do TST, João Batista Brito Pereira, e o ministro do trabalho, Caio Vieira de Mello.

 

André Moura III

As medalhas são divididas em cinco graus de ordem: Grã-cruz, Grande Oficial – agraciada a André Moura –, Comendador, Cavaleiro e Oficial. “Apesar de ser minha obrigação, não existe nada melhor do que ser reconhecido”, afirmou André Moura.

 

Kitty Lima I

A vereadora Kitty Lima (Rede) recebeu uma comissão formada por peritos criminais da Polícia Civil que levou à parlamentar uma pauta de reivindicações que visa a valorização e o aperfeiçoamento do trabalho que é desenvolvido pela Segurança Pública em Sergipe. O grupo buscou o apoio da vereadora, eleita deputada estadual nas eleições deste ano, para intermediar o diálogo com o Governo do Estado para o atendimento ao pleito. 

 

Kitty Lima II

Na lista de queixas estão reajuste salarial, que segundo os peritos de Sergipe detém a remuneração mais desfasada do país; aumento do quadro de pessoal; e melhores condições de trabalho. Aos peritos, Kitty garantiu que atuará junto à administração estadual para que todas as queixas da categoria sejam solucionadas. 

 

CRÍTICAS E SUGESTÕES

habacuquevillacorte@gmail.com e habacuquevillacorte@hotmail.com




Tópicos Recentes