POLÍTICA

30/01/2019 as 04:04

Atentado contra Bolsonaro não foi “fake”! Quem financiou a “facada” de Adélio?

Quorum

Política
Por Habacuque Villacorte
<?php echo $paginatitulo ?>

No final da década de 80, o Brasil parou para tentar desvendar um mistério: quem matou Odete Roitman? Naquele período a Rede Globo conquistou “picos de audiência” com o sucesso da novela “Vale Tudo”. 30 anos se passaram e este País continental novamente se deparou com um mistério: quem financiou o atentado contra o então candidato à presidência da República, Jair Bolsonaro (PSL)? Em meio à multidão durante um ato político em Juiz de Fora (MG), o Capitão Reformado foi atingido, covardemente, com uma facada na altura do tórax.

 

Rapidamente o candidato foi levado à Santa Casa de Misericórdia da cidade, onde foi submetido a uma cirurgia por conta de uma hemorragia interna gerada pelas lesões graves nos intestinos, delgado e grosso. Em seguida ficou internado na UTI até ser transferido para o Hospital Albert Einstein, em São Paulo (SP). Daí em diante Bolsonaro ficou impedido de participar da campanha eleitoral e, chegou a ser duramente criticado e combatido por seus adversários e setores da imprensa, por não participar dos debates, previamente agendados.

 

Alguns setores à Esquerda chegaram a “vender” a teoria da conspiração de que a “facada” deferida pelo ex-militante do PSOL, Adélio Bispo, preso em flagrante, teria sido uma “armação” para manter o candidato à presidência da República “blindado” na disputa eleitoral. Chegou-se a ventilar a possibilidade do atentado ter sido uma espécie de “fake News”. Questionaram se o autor do crime teria conseguido perfurar o tórax de Jair Bolsonaro! Há também quem acredite na teoria “mirabolante” de que o candidato do PSL teria “corrido o risco” de “tomar a facada” para ter vantagens eleitorais.

 

Agora chamou a atenção o fato de, rapidamente, o autor do atentado ter “conseguido” assessores jurídicos que, até agora, não justificaram quem estava “financiando” os honorários da defesa, já que o próprio Adélio encontrava-se desempregado quando da sua prisão preventiva. Nessa segunda-feira (28), o agora presidente eleito e empossado Jair Bolsonaro se submeteu a uma terceira cirurgia, agora para retirada da bolsa de colostomia. O procedimento foi um sucesso e ele se recupera na UTI do hospital Albert Einstein. A cirurgia se estendeu por 7 horas.

 

Em síntese, quando o presidente Jair Bolsonaro passa por uma intervenção cirúrgica, com acompanhamento público da população e da imprensa, em um dos principais e mais respeitados hospitais do País, ele “joga por terra” as teorias de “fake News” e ratifica a tese do atentando político. O Capitão Reformado passará por um período de recuperação e já deve reassumir o comando do País, nesta quarta-feira (30), despachando de dentro do Albert Einstein, em um gabinete informal, improvisado pela Presidência da República.

 

Mas, diante da iminente recuperação do presidente Jair Bolsonaro, o Brasil agora quer desvendar, 30 anos depois, mais um mistério: o atentado de Adélio Bispo teve conotação política? Ele estava a serviço de terceiros? Quem está financiando os assessores jurídicos do autor do crime? Quando chegaremos ao último capítulo desta “novela”? Este colunista não vai entrar no “campo das especulações”, mas vai deixar uma reflexão: no País do “vale tudo”, do “caixa 2”, dos “mensalões” e “petrolão”, dá para acreditar que este foi um crime de um só homem? Eis a questão...

 

Veja essa!

A decisão da Justiça Federal, acatando o MPF e a PF, de negar o pedido da defesa do ex-presidente Lula (PT), condenado e preso em Curitiba (PR), para que ele participasse do funeral do irmão, que será sepultado nesta quarta (30), em São Bernardo do Campo (SP), gerou muita discussão nas redes sociais.

 

E essa!

A defesa de Lula baseou-se na Lei de Execução Penal. A Justiça Federal não acatou o pedido porque o MPF e a PF afirmaram que não havia tempo hábil para que a logística de transporte fosse montada até o final do sepultamento nesta quarta-feira.

 

PT e o avião

A informação do jornalista Ricardo Noblat, que contesta o despacho da juíza federal, é que, com os esforços concentrados no resgate das vítimas da tragédia de Brumadinho (MG), o Partido dos Trabalhadores se ofereceu para “fretar” um avião para fazer o transporte de Lula.

 

Dúvidas I

Como perguntar não ofende nunca, e se, somente se, Lula tentasse fugir? E se fosse resgatado? Condenado e preso, o que o diferencia dos demais encarcerados na sede da PF ou nos presídios federais? Quem iria garantir a segurança dos agentes públicos que fariam a escolta?

 

Dúvidas II

Quem seria responsabilizado, do ponto de vista pecuniário e penal, caso acontecesse qualquer problema na aeronave fretada pelo Partido dos Trabalhadores? E se o sepultamento se transformasse em um ato político, pró ou contra o ex-presidente? E ainda: se Lula pode viajar para acompanhar um funeral, por que ele não cumpre sua pena em um presídio?

 

E Brumadinho?

Para quem contesta a decisão judicial impedindo Lula de acompanhar o funeral, será que esse “deslocamento” é mais importante do que o resgate das vítimas da tragédia de Brumadinho? Por que o Partido dos Trabalhadores não se coloca a disposição para “fretar” um avião ou helicóptero para ajudar nas buscas? É mole?

 

Fala Cláudio Humberto!

“Lula é um enganador. Pediu para ir ao enterro de Vavá, mas nunca foi a enterro de irmão enquanto esteve solto. Em 2004, já presidente, nem sequer foi ao velório de João Inácio, que faleceu de câncer. Em 2005, também não foi ao enterro de Odair Inácio, irmão que morreu do coração”. Assim postou o jornalista em suas redes sociais...

 

Exclusiva!

Por mais que o governador Belivaldo Chagas (PSD) ainda não tenha oficializado, por mais que o deputado estadual eleito Zezinho Sobral (PODE) se coloque à disposição, aliados já confirmam nos bastidores: o parlamentar será o novo líder do governo na Assembleia Legislativa.

 

Clima tenso

Nos bastidores da Alese não se fala outra coisa: a eleição da Mesa Diretora, logo após a posse dos 24 deputados eleitos, na tarde desta sexta-feira (1º), a partir das 15 horas. Reuniões acontecem em todos os turnos e, todos conversam.

 

Garibalde Mendonça

O deputado do MDB não esconde sua chateação por ser substituído do posto de vice-presidente da Alese pelo também deputado Francisco Gualberto (PT). Revelou para este colunista que agradeceu o convite para ser 2º secretário. Diz que é aliado do governo e lembra que está indo para seu sexto mandato na Casa.

 

Goretti também fora

A deputada do PSD, que atualmente é a segunda secretária da Alese, também não deve compor a Mesa Diretora na chapa que está sendo “costurada” pela situação. A informação é que ela encontra-se em BSB e vai esperar o “apagar das luzes” para decidir seu futuro.

 

Belivaldo não houve

Apesar de alguns aliados pontuarem que o governador está acompanhando os desdobramentos da eleição da Mesa Diretora na Alese, alguns deputados governistas reclamam: até agora não receberam um único telefonema do chefe do Executivo para tratar do assunto. O “galeguinho” quer deixar os deputados decidirem entre si...

 

Nomes definidos

Por enquanto, sabe-se que existe uma chapa em formação com o deputado Luciano Bispo (MDB) como presidente; Francisco Gualberto como vice; e Jeferson Andrade (PSD) para 1º secretário. No final da terça-feira (29), ventilou-se o nome de Gilmar Carvalho (PSC) para a 2ª secretaria, além de outra cadeira para alguém da oposição.

 

2022? E 2020?

Setores da imprensa e alguns políticos estão “vendendo especulações” sobre a sucessão de Belivaldo Chagas em 2022. Só que a turma está esquecendo que, antes de chegar lá, é preciso “semear o terreno” nas eleições municipais de 2020, mais precisamente na Grande Aracaju...

 

Representação

O vereador de Aracaju, Américo de Deus (REDE), protocolou uma representação no Ministério Público Estadual relatando a depredação da Orla Marítima do Bairro Porto Dantas, solicitando providências “a respeito da inércia do Poder Público na manutenção das áreas verdes, campo de futebol, bancos, brinquedos e quiosques que se encontram sem manutenção, sendo depredados e vilipendiados diuturnamente, levando ao desuso dos referidos bens”. O assunto será acompanhado pela Promotoria de Justiça Especializada na Fiscalização dos Serviços de Relevância Pública do MPE.

 

IPTU

Após manifestação popular feita no MPE sobre a polêmica em torno do reajuste do valor do IPTU em Aracaju, o Ouvidor em Exercício encaminhou o caso para acompanhamento pela 1ª Promotoria de Justiça dos Direitos do Cidadão de Aracaju – Patrimônio Público. No caso a denunciante aponta um reajuste no valor a ser pago em 2019, que é superior a R$ 750 em comparação com o imposto cobrado em 2018. Assim não dá...

 

TRT20

A Presidente do TRT da 20ª Região, Desembargadora Vilma Leite Machado Amorim, recebeu a comissão de trabalhadores do grupo Bomfim, cujos processos estão concentrados no Juízo Auxiliar de Execução, requerendo maior celeridade em seu trâmite e a designação de um juiz para acompanhar, com exclusividade, as demandadas no setor.

 

Tudo atendido

A Desembargadora Presidente informou que tais demandadas já foram atendidas, com a designação do juiz Antônio Francisco de Andrade de forma exclusiva no Juízo Auxiliar de Execução a partir de março do corrente ano, assim como no avanço, em três semanas, de atuação da nova Coordenadora de Apoio à Execução na confecção e liberação de alvarás que alcançam mais de R$ 2.000.000,00.

 

Caso Bomfim

De acordo com Enilson Barbosa, representante dos funcionários do Grupo Bomfim, a audiência com a Presidência do TRT20 foi muito positiva. “A administração foi bem atenciosa conosco e atendeu os nossos dois principais pleitos, que consistem na celeridade dos processos dos ex-empregados do Grupo Bomfim e na disponibilização de um juiz para se dedicar com exclusividade às atividades do Juízo Auxiliar de Execução”.

 

André Moura I

Foi inaugurado em Umbaúba o Centro de Referência  de Assistência  Social  (Cras) “Astéria Fontes Góis” com recursos obtidos pelo deputado federal André Moura (PSC). A obra teve um custo aditivo de R$ 278 mil. Cadastrada no Sistema de Convênios do Governo Federal (Siconv) desde 2013, a obra estava inconclusa e precisava de aditivo financeiro para o acabamento.

 

André Moura II

André, procurado pelo prefeito Humberto Maravilha, solicitou ao ministro de Desenvolvimento Social que fizesse o repasse para não deixar a população desassistida e foi prontamente atendido. O CRAS é a principal porta de entrada do cidadão ao  Sistema Único de Assistência Social (Suas), possibilitando o acesso de famílias à rede de proteção social do Governo Federal com a prestação de serviços que melhoram as condições de vulnerabilidade e desigualdades socioeconômicas ou mesmo calamidade pública.

 

Umbaúba

Em Umbaúba, no ano passado, foram concedidos 294 benefícios aos cadastrados no Suas e a vice prefeita Guadalupe Oliveira, agradeceu ao deputado André. “Teremos um espaço adequado para atender aos nossos munícipes, com mais organização e conforto também para os servidores. Um sonho, para dar continuidade ao atendimento àqueles que mais precisam, e isso temos de agradecer a André Moura”, concluiu.

 

Antônio dos Santos I

O deputado estadual Antônio dos Santos (PSC) defende que as autoridades constituídas devem ter uma atenção especial para a situação das barragens e represas espalhadas por todo o Brasil no sentido de evitar tragédias como na última sexta-feira (25), na Cidade de Brumadinho, região metropolitana de Belo Horizonte/MG, quando a Barragem da Mina Córrego do Feijão rompeu, atingindo milhares de famílias.

 

Antônio dos Santos II

O parlamentar lamentou que a maioria dessas barragens no segmento da mineração não são feitas com base em concreto. “Não são estruturas firmes como acontecem nas barragens de eletrificação, mas amontoados de terra e quando aquilo se desprende, a gente presencia catástrofes como Mariana e Brumadinho, em Minas Gerais. Infelizmente a tendência é que isso se repita em outras áreas por causa da própria formação dessas barragens”.

 

Fiscalizações

Em seguida, o parlamentar defendeu que os órgãos responsáveis intensifiquem as fiscalizações sobre essas barragens ligadas ao sistema de mineração do Brasil. “Várias falhas estão sendo registradas e resultando em tragédias, com vida ceifadas, com famílias destroçadas. Isso é muito perigoso e não dá para ficar de braços cruzados diante desses desastres! Eu confesso que tenho desligado a televisão nos noticiários para não assistir tanta tristeza”.

 

Drama

Antônio dos Santos diz que fica chocado em lembrar que pessoas estavam almoçando e conversando tranquilamente sobre assuntos diversos no momento em que a barragem se rompeu e nada puderam fazer. “Famílias foram enterradas vivas dentro daquele lamaçal. O Brasil precisa rever o plano de instalação desses reservatórios. Estive na China e percebi o potencial de exportação dos minérios, mas essas tragédias geram um dano ambiental incalculáveis, além de vidas ceifadas que não têm preço”.

 

Sergipe

Por fim, o deputado chamou a atenção para os reservatórios de Sergipe. “Aqui no nosso Estado os reservatórios são feitos de concreto, são as adutoras que atendem a população e fazem a irrigação, mas é preciso acompanhar de perto esses tremores que se intensificaram na região de Malhador, até para preservar as estruturas das barragens que temos naquela área. Tem que ficar vigilante aos reservatórios que não são de concreto. É preciso saber se há ou não risco de transbordamento ou rompimento”.

 

Ana Lula

A deputada estadual Ana Lula (PT) utilizou suas redes sociais para emitir uma nota pública se solidarizando com as famílias envolvidas de Minas Gerais e condenando os responsáveis pela tragédia de Brumadinho. “Minha solidariedade se estende aos familiares e amigos das vítimas. Por afetar as águas do Rio São Francisco, as consequências deste desastre afetarão não apenas os irmãos de Minas Gerais, mas também parte da Bahia, de Sergipe, Alagoas e de Pernambuco”, lamentou.

 

Tragédia anunciada

Ana Lula foi ainda mais longe e não aceita que o episódio de Brumadinho seja avaliado como “acidental”. “Esta tragédia anunciada não pode ser considerada acidente, uma vez que desde o episódio do rompimento da Barragem de Fundão, em Mariana/MG, há cerca de três anos, especialistas e instituições como a Câmara de Meio Ambiente e Patrimônio Cultural do Ministério Público Federal vinham monitorando a área”.

 

Fragilidades

Na nota a deputada acrescenta ainda que esses especialistas verificaram fragilidades e alertaram para o grave risco existente em inúmeras barragens do país, seja pela gestão inadequada, pela incipiência da legislação existente, ou pela fiscalização ineficiente por parte de órgãos de controle.

 

Repúdio

“Enquanto agente pública lamento e repudio o modelo de mineração em nosso país, marcado por empresas privatizadas e multinacionais que hipervalorizam o lucro, colocando-o acima das vidas, dos valores humanos, da garantia da dignidade e da preservação do meio ambiente. É fruto deste modelo mais este crime ambiental, que causou morte e pânico para a população, além da degradação ambiental sem precedentes, que irá afetar gerações e gerações de brasileiros”, completou a deputada em suas redes sociais.

 

CRÍTICAS E SUGESTÕES

habacuquevillacorte@gmail.com e habacuquevillacorte@hotmail.com




Tópicos Recentes