POLÍTICA

07/03/2019 as 02:25

“Caneladas na web”: Família Bolsonaro é quem mais “alimenta” seus críticos!

Quorum

Política
Por Habacuque Villacorte
<?php echo $paginatitulo ?>

Eleito em 2018 o 38º presidente da República do Brasil, o Capitão Reformado Jair Messias Bolsonaro (PSL) tem toda a legitimidade para comandar a Nação apresentando as diretrizes de seu governo. Cansados de tanta corrupção nas nossas estatais e muitos já desgastados com os governos populistas do Partido dos Trabalhadores, mais de 55 milhões de brasileiros foram às urnas com um sentimento de esperança, com o desejo de mudança, de transformação. Sem gastar muito na campanha e sem esconder sua essência e seu pensamento, Bolsonaro acabou vitorioso...

 

Seu governo está apenas no início, é verdade. Ele está assumindo um País com um discurso “anticorrupção”, mas que em cada esquina, temos um condenado por enriquecimento ilícito, lavagem de dinheiro, peculato, formação de quadrilha ou qualquer outra coisa. Bolsonaro foi eleito prometendo acabar com muitos privilégios que, por décadas, fizeram “sangrar” os cofres públicos e contribuíram para o crescimento devastador de tantas desigualdades sociais no nosso País. É evidente que este tipo de conduta, de fala, vindo de um presidente, incomoda e muito...

 

Muitos interesses passaram a ser contrariados, em especial da grande mídia do Brasil que, como “quarto poder”, se acostumou em “encurralar” a classe política em “joguetes”, onde a verdade e a informação precisa e transparente passaram a ter preço. É fato também que Bolsonaro enfrentaria restrições dos sindicatos, movimentos sociais, partidos de esquerda, de setores da imprensa, além de diversos segmentos da sociedade que não compactuam com seu governo. Tudo isso era esperado, é normal e faz parte da democracia...

 

Mas ciente do desafio e das intempéries que teria pela frente, Bolsonaro deveria ter se preparado melhor para assumir o País. Montou um “time honesto”, é verdade, mas a grandiosidade do nosso Brasil requer muito mais do que isso. Existem quadros competentes, evidentemente, e também há gente com boas intenções, mas que visivelmente precisava passar por um “intensivão” antes de assumir tal função. Este colunista vem clamando, desde o ano passado, que a Nação precisa se unir e torcer para que o governo dê certo. Os antecessores nos levaram ao “fundo do poço”...

 

Contrariados e esquerdistas prestam um grande “desserviço” ao País quando não só torcem, mas também articulam e trabalham contra o governo. Mas, justiça seja feita, desde o princípio que alguns auxiliares, os filhos do presidente e até o próprio vêm dando “caneladas”, mais precisamente nas redes sociais, quando acessam a internet. Os tempos são outros, “generais”! A depender da publicação, pode ter consequências “catastróficas”! Este colunista chegou à conclusão que a própria “Família Bolsonaro” é hoje quem mais “alimenta” seus críticos pelo Brasil afora...

 

Isso se deve a falta de uma política de comunicação oficial eficiente, propositiva! Que busque não modificar a “essência do novo governo”, mas sua forma de diálogo com as mídias e, principalmente, a maneira como vai se comunicar com a população. É a forma mais eficaz para conter os críticos. O Brasil é carente de geração de emprego e renda! Os privilégios e a corrupção devem ser corrompidos, mas o governo deve priorizar os mais pobres. O presidente tem que falar (digitar) menos e produzir mais. Que feche uma “torneira suja” e, imediatamente, abra uma “limpa” e para quem mais precisa. É hora de “comunicar” mais e “socializar” menos...

 

Veja essa!

O ano de 2019, do ponto de vista efetivo das instituições, começa agora com o término do Carnaval. A sociedade deve acompanhar atenciosa aos trabalhos legislativos na Câmara Municipal de Aracaju e na Assembleia Legislativa, em especial, neste primeiro semestre.

 

E essa!

Tanto os vereadores quanto os novos deputados estaduais devem apreciar, neste período, uma série de “pautas-bombas” que devem ser enviadas pelos respectivos Executivos. Não custa a turma ficar de “olhos bem abertos”, em especial, o funcionalismo público...

 

Resolve, Belivaldo!

É fato que a situação financeira de Sergipe não é das melhores. O governador Belivaldo Chagas (PSD) – que veio para resolver – precisa buscar o governo federal e apresentar alternativas para tirar o Estado desta crise. A sensação é que caminhamos, a passos largos, para a decretação da situação de calamidade...

 

Deso e Banese I

Para este colunista não há, de fato, um grande esforço concentrado para tirar Sergipe desta situação de crise. Muito de vez em quando, fica a impressão que a “calamidade” pode antecipar (ou seria facilitar?) a venda de ações do Banese e da Deso. Ou alguém tem dúvida disso?

 

Deso e Banese II

Com tantos problemas gerenciais na Deso e de ordem financeira (antecipações de recebíveis) no Banese, quem se “aventuraria” a investir uma fortuna para comprar apenas 49% das ações e manter o Estado de Sergipe no comando majoritário, justamente quem está afundando em uma profunda crise?

 

Antecipa. E depois?

Setores da imprensa local noticiam que bancos privados internacionais podem emprestar recursos ao governo de Sergipe, com a União como “fiadora”, em troca de futuros royalties de petróleo a ser extraído em nosso litoral. Como perguntar não ofende nunca, e futuramente, com essa “receita” já comprometida, se esse “empréstimo” não for positivo para o Estado, como iremos “cobrir o rombo”?

 

Funcionalismo paga!

Não custa avisar: se entrar nesse “empréstimo” agora com a União como “fiadora”, possivelmente o “galeguinho” Belivaldo Chagas terá que “congelar” o já “empedrado” salário do servidor público por mais quatro anos. Alguém tem que pagar o preço pelo descontrole fiscal, né não?

 

Nota 10, servidor!

Ainda dentro das “apurações do Carnaval”, se “congelar” os salários dos servidores por mais quatro anos, quando terminar sua gestão, no final de 2022, Belivaldo e Eliane Aquino (PT) vão entrar um governo com 10 anos sem reajustes para o funcionalismo público. Resta saber se os impostos um dia vão ficar tanto tempo sem aumentos...

 

Discurso não ajuda!

Depois de dizer que “no seu governo, manda ele”, Belivaldo Chagas quer reunir todos os poderes e entidades constituídas para dizer “mais do mesmo”: “Sergipe está quebrado!”. Isso a população já percebeu. O que as pessoas estão esperando são as respostas para a crise...

 

Fala Elizeu I

Dono de um “vozeirão estridente” e bastante conhecido no Conjunto Augusto Franco, o jornalista Elizeu Menezes é pré-candidato a vereador de Aracaju em 2020 e alerta as autoridades, através de suas redes sociais, sobre o risco de desabamento na caixa d’água do Conjunto Castelo Branco que, segundo ele, “está completando 50 anos de existência, mas encontra-se desativada há muito tempo, sem a devida manutenção e com risco de desabamento”.

 

Fala Elizeu II

“Estamos assustados com tantas tragédias que assolam o nosso País. Mais recentemente vimos os casos de Mariana, de Brumadinho e do CT do Flamengo. Será que vão esperar aquela caixa d’água cair e ferir uma pessoa para as autoridades tomarem as providências?”, questiona, com razão, Elizeu.

 

Maria do Carmo I

A senadora Maria do Carmo Alves (DEM) defendeu uma ampla discussão acerca do transporte ferroviário, especialmente, para o uso de cargas no país. Para ela, uma rede ferroviária ampla e interligada beneficiaria todo o processo produtivo e o escoamento das exportações brasileiras, gerando maior desenvolvimento e impulsionamento da economia.

 

Maria do Carmo II

Defensora do modal como propulsor do crescimento do país, a senadora sergipana entende que, além de ser mais rápido, é muito mais barato e favorecerá a infraestrutura brasileira, reduzindo os entraves logísticos do Brasil. “Além do efeito positivo no custo das operações, o transporte ferroviário é muito menos poluente, o que já seria um ganho, também, para o meio ambiente”, disse.

 

Tema urgente

Para, ela, é urgente pautar essa questão para que se tenha elementos suficientes para entender essa dinâmica, bem como capitalizar os resultados que esse modal de transporte pode oferecer ao país em termos de desenvolvimento, sobretudo, econômico. Maria ressaltou a necessidade de se priorizar os projetos de planejamento logístico do país, que a cada Governo vão ficando esquecidos.

 

Novas ferrovias

“A construção de novas ferrovias é um projeto de longo prazo e que não pode sofrer descontinuidade em virtude das mudanças de gestão. Isso gera travas e prejuízos ao país em todos os campos”, disse a senadora, observando que, segundo especialistas, há uma questão importante a ser considerada que diz respeito ao curto prazo de concessão ferroviária que no Brasil dura 30 anos.

  

Hasselmann em Sergipe

A Associação Comercial e Empresarial de Sergipe (Acese) realizará no próximo dia 15 de março, a partir das 19h, no Radisson Hotel, o primeiro Jantar com Negócios 2019.  Nesta edição, foi confirmada a presença da deputada federal mais votada do país e líder do governo Bolsonaro no Congresso, Joice Hasselmann (PSL-SP), que discutirá “Os desafios da reconstrução do país”.

 

André já faz falta!

Muitos críticos do ex-líder do governo federal André Moura (PSC) hoje já reconhecem sua importância para Sergipe, nos últimos anos, sobretudo na captação de recursos financeiros. Com todo respeito, temos uma bancada federal hoje que, mesmo em pouco tempo, demonstrou pouco poder de convencimento e baixa interlocução com o novo governo. André já faz falta...

 

Maria Mendonça I

Das mais de 70 mil empresas ativas e registradas na Junta Comercial de Sergipe, quase 60% têm participação feminina. Quando se trata de micro empreendedorismo individual (MEI), as mulheres comandam número bem maior: dos 118 mil microempreendedores inscritos, 62 mil são do sexo feminino. Ainda nesse quesito, a quantidade de mulheres que empreendem em Sergipe (37,7%) é superior à média nacional (32,7%), segundo levantamento feito pelo Sebrae.

 

Maria Mendonça II

Esses números por si só já justificariam um olhar diferenciado do poder público e dos agentes bancários, mas não é o que acontece. Por conta disso, a deputada estadual Maria Mendonça (PSDB), atendendo a uma sugestão do Núcleo do Grupo Mulheres do Brasil em Sergipe, apresentou um Projeto de Lei instituindo uma política estadual de estímulo ao empreendedorismo com o intuito de prepará-las para exercerem papel estratégico de agente do desenvolvimento social e econômico no Estado de Sergipe.

 

CRÍTICAS E SUGESTÕES

habacuquevillacorte@gmail.com e habacuquevillacorte@hotmail.com




Tópicos Recentes