POLÍTICA

10/09/2019 as 16:22

Mourão exalta democracia, e presidente do Senado diz que declaração de Carlos merece desprezo

Presidente em exercício não quis comentar postagem de vereador: 'problema dele'; Davi Alcolumbre defende modelo

O vice-presidente disse que a democracia é um dos pilares da civilização ocidental Foto: J<?php echo $paginatitulo ?>

O presidente em exercício Hamilton Mourão evitou nesta terça-feira comentar as declarações do vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), filho do presidente Jair Bolsonaro, de que a transformação que o Brasil quer não será rápida por "vias democráticas". Mourão, contudo, enfatizou que a democracia é "fundamental" e um dos pilares da civilização ocidental. Já o presidente do Senado, Davi Alcolumbre  (DEM-AP), afirmou que comentários sobre possíveis enfraquecimentos da democracia merecem “‘desprezo”.  Carlos pediu licença  da Câmara dos Vereadores na última sexta-feira.

— Fundamental. São pilares da civilização ocidental. Vou repetir para vocês. Pacto de gerações, democracia, capitalismo e sociedade civil forte. Sem isso, a civilização ocidental não existe — afirmou Mourão, ao deixar o Palácio do Planalto, ao ser questionado sobre a importância da democracia.

Em relação à declaração de Carlos, Mourão disse que é "problema dele":

— Carlos Bolsonaro, vocês perguntem para ele. Isso é problema dele, pergunta para ele.

O presidente em exercício defendeu a negociação com o Congresso para aprovar as medidas do governo, mesmo que isso leve a uma demora:

— Temos que negociar com a rapaziada do outro lado ali da praça. É assim que funciona. Com clareza, determinação e muita paciência.

Carlos e Mourão tem um histórico de embates . Em abril, o vereador fez uma série de críticas públicas ao vice-presidente, principalmente por posicionamentos públicos em sentidos contrários aos da Presidência. Bolsonaro chegou a pedir um "ponto final" na discussão entre os dois.

Instituições fortalecidas

Para Alcolumbre, as instituições e o Parlamento brasileiro estão fortalecidos. Ele disse confiar na democracia e cumprir seu papel para dar “estabilidade para um país de 220 milhões de brasileiros que aguardam respostas”.

- O Senado, o Parlamento brasileiro e as instituições estão fortalecidas. As instituições estão pujantes, trabalhando a favor do Brasil. Então, uma manifestação ou outra em relação a esse enfraquecimento, tem, da minha parte, o meu desprezo - afirmou Alcolumbre, após lançar uma exposição sobre o artesanato do Amapá, seu estado, no Senado.

Questionado sobre o assunto em coletiva de imprensa pela manhã , o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou que "não existe outro caminho possível" para o país que não a democracia.

— Eu penso diametralmente oposto. Só com a democracia é que nós podemos ter um país soberano, livre e capaz de produzir políticas sociais e políticas econômicas. É só com democracia. Não há nenhum outro caminho possível no país. E eu estarei ao lado dos democratas e ao lado daqueles que vão lutar pela democracia — declarou o tucano.

Carlos voltou hoje às redes sociais  para se defender da polêmica criada por ele.  Em seu novo post no Twitter, o parlamentar, que pediu licença temporária sem remuneração na Câmara do Rio, diz que foi mal interpretado. Ele argumenta que sua expressão quis dizer "por vias democráticas as coisas não mudam rapidamente". E completou afirmando que isso "É um fato. Uma justificativa aos que cobram mudanças urgentes". Logo em seguida, disse que os jornalistas espalham que ele defende a ditadura e os chamou de "Canalhas!".

 




Tópicos Recentes