POLÍTICA

01/11/2019 as 10:05

Sai da “moita” Belivaldo! Instabilidade na PC pode aumentar violência em SE!

Quorum

Política
Por Habacuque Villacorte
<?php echo $paginatitulo ?>

O impasse criado entre delegados da Polícia Civil e agentes e escrivães é um assunto muito sério e que precisa ter a atenção do governo do Estado, do Ministério Público Estadual e dos demais órgãos fiscalizadores. Este colunista não tem os números oficiais em mão, mas “coincidentemente”, a sensação de insegurança voltou a crescer em Sergipe nas últimas semanas. A discussão sobre o Projeto Oficial da Polícia Civil (OPC) – condenado pelo primeiro grupo e defendido pelo segundo – saiu do campo “burocrático” e tem sido uma “constante” dentro dos Distritos.

 

Este colunista tenta aqui manter a maior isenção possível, em respeito à boa informação e às categorias, mas quem “chegou para resolver”, infelizmente, não tem tomado qualquer providência. O governador Belivaldo Chagas (PSD), em entrevista à FAN FM, essa semana, confirmou que assumiu o compromisso com os agentes e escrivães, ainda na campanha eleitoral em 2018, mas agora apresenta um “contra-argumento”: não quer ser o “pioneiro” no Brasil! Ou seja, pressionado pelos delegados, o chefe do Executivo opta pela omissão temporária, esperando que “alguém” resolva por ele...

 

Como disse antes, este colunista não vai defender “lado A” ou “lado B”, até porque entende e respeita o direito das classes de lutarem e reivindicarem suas melhorias. A cobrança aqui é para quem “tem a caneta nas mãos” para decidir! Aliás, Belivaldo iniciou o ano dizendo que naquele momento estava começando sua gestão de fato, porque só ali ele estava respondendo pelo governo, sendo que “estranhamente” ele já estava no Poder desde abril de 2018. E, como perguntar não ofende jamais, por que agora, sentado na cadeira, o “galeguinho” não resolve?

 

Enquanto o governador faz “ouvido de mercador”, a disputa entre as categorias sobre o OPC está contribuindo sim para gerar instabilidade na estrutura da Segurança Pública. E a culpa não é das partes, mas de quem se omite! A Polícia Militar, inclusive, também já está envolvida nesta discussão, tanto que alguns segmentos já “tomaram partido” nesta disputa. E o reflexo dessa “divisão” vem sendo sentida no cotidiano dos sergipanos. O crime voltou a crescer, a “ganhar corpo”. Os registros de assaltos seguem altos e os homicídios estão acontecendo diariamente.

 

Só em Itabaiana, por exemplo, em menos de 48 horas, foram registrados três assassinatos no município. Em Campo do Brito um jovem foi “abatido” dentro de um lava-jato na região central da cidade. É bem verdade que a Polícia Militar, através dos seus diversos grupamentos, tem atuado ostensivamente contra o crime e tem abatido diversos bandidos que insistem em confrontar a autoridade policial. Mas é inegável que, com delegados, agentes e escrivães em conflito, dividindo suas atenções com o OPC, fica uma preocupação com o crescimento dos registros de violência.

 

Em síntese, a coluna reforça: delegados, agentes e escrivães têm todo o direito de reivindicarem melhorias e de defenderem a estabilidade de suas funções. O governo do Estado é que não tem o direito de ficar omisso! Os órgãos fiscalizadores também precisam agir, cobrar do Executivo por respostas rápidas, porque quando se trata do crescimento da violência, dos registros de homicídios, não é exagero dizer que vidas estão em jogo e que o cidadão comum é quem pode ficar exposto em meio a essa crise institucional. É hora de sair da “moita” galeguinho...

 

Veja essa!

O líder comunitário do Conjunto Augusto Franco, em Aracaju, e presidente do Diretório Municipal do Solidariedade, William Fonseca, denuncia que há quase três meses que faltam nos postos de Saúde da capital os repelentes para gestantes que fazem o pré-natal ou são cadastradas nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) da capital.

 

E essa!

Não custa lembrar que o repelente é fundamental para proteger as gestantes contra as picadas de mosquitos, em especial do Aedes Aegypti, transmissor do zika vírus, que pode resultar em casos de microcefalia em bebês. “Qualidade de vida” começa com a saúde do aracajuano...

 

Crianças no HUSE

O vídeo que se propagou nas redes sociais, gravado por acompanhantes de pacientes dentro na unidade infantil do Hospital de Urgência e Emergência de Sergipe (HUSE) representa o descaso que continua existindo dentro daquela unidade de Saúde. Corredores superlotados e crianças em atendimento deitadas no chão. Uma vergonha para quem “chegou para resolver”...

 

Aberração!

Com todo respeito ao governo do Estado e aos gestores da Secretaria de Estado da Saúde, a explicação de que “os pais, mesmo com todos os avisos, insistem em forrar o chão para deitar as crianças” é uma aberração! Como pai este colunista questiona: se a unidade disponibilizasse “grande aparato técnico e infraestrutura adequada para atender aos pacientes com o máximo de conforto”, qual o pai iria preferir deixar seus filhos deitados no chão? Tem que respeitar as pessoas!

 

Alô MPE!

Este colunista vai continuar chamando a atenção do Ministério Público Estadual no sentido que ele atue para coibir esse descaso com as crianças dentro do HUSE! Dizer que os pacientes saem das poltronas para deitarem no chão? É, no mínimo, subestimar a inteligência das pessoas. É descaso na Segurança, na Educação e na Saúde! Mesmo cassados, Belivaldo e Eliane precisam continuar governando...

 

Nepotismo continua

Enquanto estes vídeos com aberrações dentro das unidades de Saúde do Estado continuam circulando nas redes sociais, parentes da Superintendente do Samu continuam trabalhando no TAJ MAHAL. Sergipe virou mesmo “terra sem lei”...

 

Exclusiva!

Ainda sobre o HUSE, a coluna tomou conhecimento que na unidade estão registrando falta de macas que, muitas vezes, estão travando várias ambulâncias do Samu. O estranho é que esse serviço de emergência e urgência possui mais de uma dezena de macas para retaguarda dentro do próprio Hospital. Alguém na Fundação Hospitalar de Saúde pode explicar onde estão essas macas?

 

Caos proposital?

Como perguntar não ofende, se as macas do Samu existem dentro do hospital para a retaguarda, a quem interessa gerar esse caos no Serviço Móvel? Há uma reclamação geral dos servidores com a gestão da FHS. O governo, que chegou e não resolveu, deve mais uma explicação ao povo de Sergipe, ou não?

 

Sucessão na Saúde

Ainda falando em Saúde, e como o secretário Valberto Oliveira é pré-candidato a prefeito de Propriá em 2020, o comentário forte dentro da Pasta é que a secretária-adjunta, Adriana Menezes, é o nome cotado para assumir o comando e teria toda a confiança do atual secretário e do próprio governador Belivaldo Chagas. A ideia é manter todos os projetos em andamento e sem interrupções.

 

Riachão do Dantas

Em uma espécie de prestação de contas feita pela prefeita eleita de Riachão do Dantas foi revelado para setores da imprensa e vereadores, no relatório de transição da gestão, que de 1º de janeiro de 2019 a 19 de setembro a dívida pendente supostamente totaliza R$ 2,34 milhões e com um débito na folha de pagamentos superior a R$ 1,4 milhão, com um saldo na conta superior a R$ 3 mil.

 

Lagarto Linda?

Slogan da gestão da prefeita Hilda Ribeiro, a “Lagarto Linda” precisa explicar a denúncia sobre o contrato com uma empresa para a reforma do calçamento de duas praças e construção de outra, de aproximadamente R$ 600 mil, sendo que a mesma não tem licença ambiental, não tem jazida e ou areal. Com a palavra a gestão e até o Ministério Público Estadual...

 

Feiras

Diante do comentário feito pela coluna, questionando a “impunidade” sobre a licitação das feiras de Aracaju”, o Ministério Público Estadual, através da promotora Euza Missano, procurou este colunista para anunciar que existem duas Ações Civis Públicas em tramitação: uma que trata da licitação e outra da uniformização na venda de produtos de origem animal, com refrigeração.

 

Euza Missano

“As ações foram ajuizadas entre o fim do ano passado e começo deste ano. Lamentavelmente não conseguimos a liminar e continuamos ‘pelejando’ nos autos a concessão de tutela antecipada para finalização desse procedimento. Também nos preocupamos com a demora da licitação, entretanto, só foi disparado o procedimento em razão das ACPs movidas e tudo está devidamente registrado nos autos”, explicou Euza Missano.

 

Valores

Este colunista aproveitou a oportunidade para questionar à promotora sobre a diferença absurda entre os valores registrados entre o 1º e o 2º edital de licitação: em menos de três meses e para execução dos mesmos serviços, houve uma redução de R$ 55 milhões, aproximadamente. Foi questionado sobre o dano ao erário se a primeira licitação não tivesse sido anulada. O assunto será acompanhado por outro promotor de Justiça...

 

Tesoura comeu!

Por atrasos sucessivos no pagamento das faturas, a Energisa suspendeu o fornecimento de energia elétrica para o prédio que abriga a Prefeitura de Salgado. Como o prefeito Duílio já está em ritmo de fim de mandato, não seria exagero usar o “dito popular” de que “o último a sair, que apague a luz”...

 

Manobra no 13º?

Segundo a Rede CBN de Rádio, em levantamento nacional, os servidores públicos de cinco Estados federados podem ficar sem o 13º este ano. Na matéria diz que Rio Grande do Sul, Sergipe e Minas Gerais “planejam uma manobra para pagar o benefício”. A “manobra” do “galeguinho” seria recorrer mais uma vez ao parcelamento via Banese. Agora, como perguntar não ofende, se isso já está definido, por que a demora em anunciar? Já o parcelamento já vinha dando certo, por que mudar este ano?

 

Falando nisso

O vereador Zezinho do Bugio apresentou o Projeto de Lei de sua autoria que dispõe sobre a proibição da interrupção do fornecimento de energia nos finais de semana e feriados prolongados por parte da empresa concessionária Energisa. O vereador defendeu que, durante o final de semana, fica muito difícil para o consumidor buscar um local para realizar o pagamento da conta em atraso.

 

Zezinho do Bugio

Segundo ainda o vereador, é fundamental ter sensibilidade para com os consumidores que pagam altos impostos e saem prejudicados com a ação da empresa. “Esse projeto é para beneficiar aquelas famílias mais carentes que passam necessidade e não tem, muitas vezes, nem o que comer. É bom lembrar que não é para deixar de pagar, mas para prolongar até o dia útil, quando os lugares estão abertos, para que o consumidor possa efetuar o pagamento. É triste ver famílias que passam o final de semana inteiro sem luz", exclamou Zezinho. 

 

Moana

Vem aí o espetáculo “Moana – Um mar de Aventuras” com apresentações previstas para os dias 9 (17h30) e 10 (18h30) de novembro, no Teatro Tobias Barreto.

 

CRÍTICAS E SUGESTÕES

habacuquevillacorte@gmail.com e habacuquevillacorte@hotmail.com

 

 




Tópicos Recentes