SAÚDE

20/03/2020 as 08:59

Outono viral: população deve estar atenta aos cuidados com a saúde

O mundo inteiro sofre as consequências de uma pandemia de coronavírus, decretada no último dia 11 pela Organização Mundial de Saúde (OMS)

<?php echo $paginatitulo ?>

Situação que pode ser potencializada pela chegada de um período crítico conhecido como “Outono Viral”, época do ano em que a incidência de doenças como gripe, resfriado, rinite e sinusite, além de infecções de origem pulmonar, é ainda mais comum.

 Segundo a técnica da rede municipal de Programas de Vigilância em Saúde, Mariana Aragão, isso ocorre porque, devido ao frio das estações do outono – que inicia nesta sexta-feira, dia 20 – e inverno, a tendência é de que as pessoas fiquem em locais fechados por mais tempo, o que favorece a circulação dos vírus.
 
“Essas doenças surgem como uma consequência das baixas temperaturas. As crianças, principalmente, e os idosos, que são as faixas etárias de extremo, acabam ficando vulneráveis. A temperatura cai, começa o espirro, as pessoas costumam fechar muito o ambiente onde vivem, e também tem a questão da poeira. É uma associação de fatores que fazem com que o vírus tenha maior circulação e as pessoas adoeçam”, explica Mariana.
 
Segundo ela, em recintos abertos ou fechados, basta que alguém esteja gripado, tossindo ou espirrando para que as partículas liberadas pelas vias respiratórias se espalhem, contaminando mãos, objetos, portas, corrimões, mesas, sofás, portas de veículos, celulares, tablets, laptops e tudo o mais que possa alojar microrganismos.
 
“Existem aquelas doenças que têm um período de circulação, a sazonalidade, como a gente chama. Os vírus, que antigamente começavam a circular no período de outono/inverno, que é o período chuvoso, estão tendo uma sazonalidade maior. Então, desde o mês de março, estamos considerando essa sazonalidade”, pontua Mariana Aragão.
 
 
A diretora de Vigilância e Atenção à Saúde do município, Taise Cavalcante, explica que é preciso estar atento ao período para que não se confunda essas doenças virais com o coronavírus. “O importante é se atentar aos sintomas, pois há a possibilidade de surgirem gripes e resfriados, por exemplo, que são comuns e se apresentam de maneira diferente do coronavírus”, ressalta.
 
Vale lembrar que, em Aracaju, há unidades sentinelas voltadas para o monitoramento desses vírus. Elas são responsáveis pela busca ativa de pacientes com sintomas gripais, e coleta de material que é encaminhado para o Laboratório Central (Lacen), onde é realizada uma análise para saber durante todo o ano qual vírus está circulando.
 
Para evitar o contágio desses vírus, a técnica da Rede de Urgência e Emergência (Reue), Ana Paula Leite, recomenda que as pessoas tomem alguns cuidados simples. “A gente sempre orienta que as pessoas evitem locais aglomerados, lavem sempre as mãos, pois elas são um meio muito fácil de contaminação”, orienta.
 
Ao tossir ou espirrar, deve-se utilizar um lenço descartável. “Se estiver doente, evitar sair de casa e estar em locais aglomerados. São cuidados bobos que podemos fazer durante todo o ano, que não servem apenas para a questão respiratória”, reforça Ana Paula. É importante também ingerir líquidos, mantendo a hidratação do corpo e fortalecendo o sistema imunológico.



Tópicos Recentes