11/02/2019 as 09:49

Luiz Eduardo foi ali e não volta mais

Ponto de Vista, por Ivan Valença

Ponto de Vista

Política
Por Ivan Valença
<?php echo $paginatitulo ?>

Você que é leitor do “Jornal do Dia”, principalmente as edições de domingo, e estava acostumado a acompanhar os escritos do jornalista Luiz Eduardo Costa, deve estar, sem dúvida, sentindo falta  da sua colaboração de duas páginas, sempre rica em informações e um texto corretíssimo, o melhor da Imprensa de Sergipe. Ele nem sequer se despediu dos leitores, mas, há exatamente quatro semanas ele suspendeu sua participação  no “Jornal do Dia” e, agora, dedica-se exclusivamente ao seu blog, “luizeduardocosta.com.br”,assim mesmo tudo junto. O blog é atualizado diariamente, o que quer dizer que todos os dias sempre há um novo comentário do jornalista a respeito dos mais variados assuntos, tanto da política local, como da política nacional e, as vezes, também internacional.

Filho do jornalista e promotor público Paulo Costa, Luiz Eduardo começou a rabiscar colunas no jornal do seu pai, o “Sergipe Jornal”, cujas oficinas – eram apenas uma impressora e uma linotipo – ficavam na rua Florentino Menezes, nas proximidades do mercado de Aracaju. Era uma equipe de apenas três ou quatro pessoas, das quais faziam parte os jornalistas Benvindo Sales de Campos Neto e Simões Filho, mas este deixou de escrever quando foi nomeado para o Banco do Brasil, em Itabaiana, já que passara  em concurso  daquele estabelecimento. Também marcava presença nas páginas do “Sergipe Jornal”  outra pena de ouro, o irremediável Clarêncio Fontes que era um leitor voraz de jornais do Sul do País.

Luiz Eduardo Costa aparecia pouco na redação do “Sergipe Jornal” mas o pai soube incutar-lhe nas veias o gosto pelo jornalismo. Tanto assim é que, nos anos 60, já vamos encontrá-lo  na equipe do “Diário de Aracaju”, o órgão dos Diários Associados – a cadeia de jornais de Assis Chateaubriand – na posição de Editor Chefe. Luiz Eduardo Costa passou por vários outros veículos, exercendo sempre papel de destaque nas redações de todos esses veículos. Depois de escrever para o “Jornal da Cidade”, Luiz Eduardo mudou-se de armas e bagagens para o “Jornal do Dia”, tão logo este foi inaugurado há doze anos atrás. Agora o próprio Luiz Eduardo confessa que cansou-se de “escrever tanto sem ganhar um centavo”. Eram duas páginas aos domingos cujos textos tinham que ser entregues sempre às quintas-feiras para que pudessem ser editadas para a edição dominical do jornal.

Quem quiser acompanhar os textos de Luiz Eduardo Costa agora só através do seu blog, que é atualizado diariamente.




Tópicos Recentes