SEX APPEAL

10/07/2019 as 17:35

Casamentos sem sexo sobrevivem? Perguntamos aos especialistas

Falta de intimidade pode prejudicar o relacionamento, mas não precisa levar ao divórcio.

<?php echo $paginatitulo ?>

Casamentos sem sexo, apesar de raramente discutidos abertamente, são mais comuns do que se imagina.

Na realidade, as pesquisas no Google por “casamento sem sexo” são três vezes mais comuns do que as por “casamento infeliz” e oito vezes mais comuns que “casamento sem amor”.

Mas o que é exatamente um casamento sem sexo? Não existe definição precisa, mas alguns especialistas o definem como menos de dez relações sexuais em um ano.

Para a terapeuta sexual e coach de relacionamentos Danielle Harel, trata-se de casamentos em que o sexo “é basicamente não-existente”. “Eles podem não transar há cinco anos, ou então uma vez a cada dois meses”, diz ela ao HuffPost.

Embora a falta de sexo possa causar tensões em vários relacionamentos, será que é possível que certos casamentos permaneçam intactos com pouca intimidade física?

Procuramos os especialistas para saber a resposta.

Casamentos sem sexo podem sobreviver – mas somente em algumas circunstâncias

Segundo pesquisa de 2015 do Instituto Pew Research, 61% dos adultos americanos casados afirmaram que relacionamento sexual satisfatório é “muito importante” para o sucesso do casamento.

“A maioria das pessoas atribui um significado importante ao sexo e obtém algo adicional dele: sentimento de amor, atratividade, erotismo, desejo e expressão de paixão, algo que você não tem com outras pessoas”, diz Irene Fehr, coach de sexo e intimidade de Denver.

“As pessoas entram em relacionamentos românticos porque querem compartilhar desejo sexual, atração, paixão e conexão – isso é o que diferencia um relacionamento romântico de uma amizade.”

Mas nem todo mundo que está num casamento sem sexo está infeliz e condenado ao divórcio.

“Um casamento pode durar muito tempo sem sexo se ambos não se incomodam com a falta de sexo em suas vidas”, diz a terapeuta sexual Celeste Hirschman, coautora de Making Love Real: The Intelligent Couple’s Guide to Lasting Intimacy and Passion (Fazendo Amor de Verdade: O Guia do Casal Inteligente para Intimidade Duradoura e Paixão, em tradução livre).

“Para alguns, o sexo não é uma grande prioridade. Para outros, é importantíssimo, como qualquer outra atividade.”

Em algumas circunstâncias, um casamento sem (ou com pouco) sexo pode ser viável ou até mesmo satisfatório, quando...

Os parceiros têm pouca libido

Falta de sexo pode não ser um problema no casamento se ambos os parceiros têm baixo nível de desejo sexual.

“Se um casal tem níveis similares de desejo e se sente emocional e sexualmente satisfeito mantendo menos de dez relações, o casamento pode ser tão bem-sucedido quanto o de um casal que transa todos os dias”, diz Nazanin Moali, terapeuta de Los Angeles e apresentadora do podcast “Sexology”. 

O mesmo vale para casais que se identificam como assexuais – em outras palavras, pessoas que não sentem atração sexual ou não estão interessadas em sexo.

“Nessa situação, a falta de atividade sexual pode inclusive ser saudável, pois não se lida com a angústia de ter de fazer algo que não interessa”, afirma Moali.

Um dos parceiros tem algum problema de saúde que afeta o desejo ou a performance

Problemas de saúde físicos (como certos tipos de câncer, diabetes, hipertensão) e mentais (depressão, ansiedade e transtorno do estresse pós-traumático) podem afetar o desejo ou a capacidade de manter relações sexuais.

As mudanças às vezes são temporárias; outras podem ser duradouras. Cada casal tem de decidir se vai segurar as pontas e durante quanto tempo – enquanto o sexo estiver fora da equação.

“Nesses cenários, se o parceiro percebe que as questões podem ser resolvidas com tratamento ou com o tempo, a tolerância é maior”, diz Moali. “Mas, se for algo de longo prazo, de tempo de recuperação incerto, o parceiro pode sentir-se mais angustiado com as mudanças na atividade sexual.”

O casal dá mais valor a outros aspectos de sua vida que à vida sexual

Talvez o casal trabalhe junto num negócio próprio. Talvez estejam focados em criar os filhos. Talvez queiram ficar casados pelo companheirismo ou pela segurança financeira. Qualquer que seja a razão, “um casal pode ser feliz se acharem que estão trabalhando em nome de objetivos e valores comuns”, diz Moali.

Para alguns casais, o sexo pode ser uma diversão de vez em quando, mas não uma prioridade e tampouco algo fundamental para manter a união.

“O casal pode ficar muito tempo junto sem sexo se ambos derem pouco importância ao sexo e não o associarem ao amor que sentem um pelo outro”, diz Fehr. “Por exemplo, se o sexo é só uma maneira de se divertir, e eles curtem várias outras coisas divertidas. O sexo pode não ser prioritário nem interferir no relacionamento.” 

Mas, para muitos casais, falta de sexo pode complicar o casamento

Um casamento sem sexo só funciona se ambos os parceiros estiverem alinhados em termos de seus níveis de desejo e do papel do sexo em suas vidas e no relacionamento, diz Fehr. Do contrário, um “quarto morto” pode levar a mágoa e ressentimento.

“Se um ou ambos os parceiros acharem que estão perdendo algo importante – especialmente quando tem a ver com amor, validação e atração ―, a falta de sexo pode contaminar outras áreas do relacionamento, por causa de frustração, tristeza, muros emocionais e, no fim das contas, erosão da conexão”, afirma ela.

Um casamento sem sexo tem poucas chances de durar no longo prazo quando... 

O casal tem diferenças de libido

“Nesses casos, o parceiro com mais desejo se sente constantemente rejeitado”, diz Moali. “Enquanto isso, o parceiro com pouco desejo fica hipervigilante, para não dar sinais de que possa estar interessado em sexo quando na realidade não está pronto.”

O parceiro de baixa libido também pode se sentir sufocado ou inadequado porque não consegue atender às necessidades do parceiro. Eles podem até mesmo humilhar o parceiro por sentir tanta necessidade de manter relações sexuais. 

“Falta de empatia e compreensão, ou a minimização da importância do sexo, podem ter impacto muito negativo”, diz Harel.

A falta de sexo é sintoma de problemas mais profundos no relacionamento

Muitas vezes é uma questão do ovo ou da galinha: a falta de sexo causa problemas no casamento ou os problemas no casamento causam a falta de sexo?

Se a seca sexual começou por causa de alguma questão conjugal não-resolvida ― como a descoberta de um caso extraconjugal, críticas repetidas ou brigas frequentes ―, a sobrevivência do casamento pode ser mais difícil.

“Muitas vezes, os casais se abstêm do sexo com o parceiro à medida que se distanciam. Eles podem nem sequer gostar mais um do outro, o que naturalmente leva a menos desejo”, afirma Moali.

Fehr estava presa num casamento sem sexo quando estava se aproximando dos 30 anos – e o relacionamento acabou em divórcio. Em retrospecto, ela percebeu que a separação tinha mais a ver com a falta de comunicação e vulnerabilidade em relação ao sexo do que com a falta de sexo em si.

“Foi a incapacidade de abordar os desafios relacionados ao sexo ― olhar profundamente um para o outro, falar dos nossos medos, necessidades e desejos, ficar preso nessa confusão. Isso acabou matando o casamento”, diz ela. “Não fomos capazes de ouvir um ao outro de verdade e estar presentes nos momentos mais vulneráveis e difíceis.”

A falta de sexo leva à infidelidade 

Em alguns casamentos, o parceiro de baixa libido pode aceitar que o outro busque satisfação sexual fora do relacionamento. 

“Se uma pessoa está infeliz com o casamento sem sexo e a outra pessoa se recusa a lidar com o problema, às vezes o casal faz um acordo para ter um relacionamento aberto. Assim, a pessoa insatisfeita pode satisfazer suas necessidades”, diz Hirschman.

Foi a incapacidade de abordar os desafios relacionados ao sexo — olhar profundamente um para o outro, falar dos nossos medos, necessidades e desejos, ficar preso nessa confusão. Isso acabou matando o casamento Irene Fehr, coach de sexo e intimidade

Mas, se o caso é mantido às escondidas, o sentimento de desconexão e desconfiança só vai aumentar – e será difícil recuperar-se dessa situação.

“Apesar de parecer uma solução temporária para lidar com a frustração sexual de um dos parceiros, muitas vezes [esse comportamento] leva a uma ruptura irreparável do casamento”, diz Moali. “Especialmente se acontecer sem consentimento, o que é muito comum.”

Eis o que fazer para reacender a sua vida sexual

Se você e seu parceiro estão infelizes com sua vida sexual, não percam as esperanças! Os especialistas dizem que é possível reverter a situação – desde que ambos estejam dispostos a se dedicar.

Primeiro, pense quando houve uma queda na atração sexual

“Algum comportamento, evento ou conversa levou a essa mudança?”, diz Moali. O que está contribuindo para a situação? Também ajuda pensar nas soluções que vocês já tentaram.

Não ignore o elefante na sala

É muito comum que casais evitem conversar sobre o assunto. Eles varrem o problema para debaixo do tapete porque parece mais fácil do que confrontar emoções difíceis. 

“Tenha uma conversa sincera sobre por que você acha que não está rolando sexo, de preferência sem colocar a culpa nem humilhar o parceiro”, diz Harel.

Saiba que no começo não será nada fácil, e tudo bem.

“Esqueça a fantasia de que as coisas vão funcionar sem comunicação e sem ter de passar pelo constrangimento que vem das tentativas de reconexão depois de tanto tempo afastados”, diz Hirschman.

Separe um tempo para vocês

Planejem atividades românticas só para os dois (sem os filhos!). Tomem uma garrafa de vinho num restaurante aconchegante, ouçam música juntos na cama, façam massagem um no outro ou assistam a um filme agarradinhos.

Sem pressão para que role sexo – mas, se houver clima, deixe acontecer. Na pior das hipóteses vocês estarão mais conectados emocionalmente.

Não espere uma faísca espontânea e orgânica. Escolha um dia e mantenha-se focado no plano. Vocês podem até mesmo revezar na escolha das datas, para que o peso de começar as coisas não recaia sobre as costas de uma única pessoa.

E, só porque você está colocando sexo na agenda, as coisas não precisam ser mornas ou previsíveis.

“Recomendo fazer uma lista individual de atividades com ‘sim, não, talvez’ e depois comparar com a do parceiro”, afirma Moali. “Uma visita a um sex shop também pode dar ideias de como incorporar brinquedos.”

Se as tentativas forem frustradas, considere procurar um terapeuta especializado, ou então um profissional de saúde mental.

“Um erro muito comum é esperar tempo demais antes de procurar ajuda”, diz Moali. “Se você está trabalhando na sua vida sexual há mais de seis meses e não obtém resultados, recomendo procurar um profissional especializado.”

Se você ama seu companheiro, toda ajuda é bem-vinda.




Tópicos Recentes